Friday, January 30, 2009

Agostinho Chauque: Um Mito ou uma Realidade

Do Cambane, que se estreia na blogosfera, por isso ficam aqui as notas de boas vindas, recebi o texto que se segue. A intenção do autor, conforme me relevou, ao publicá-lo no blog é receber reacções críticas. Coisa que não conseguiu de forma alargada após a publicação do artigo no jornal notícias. Como podeis notar há cada vez mais gente interessada em ser interpelada naquilo que pensa. Pessoalmente considero um acto de humildade e integridade intelectual colocarmos as nossas ideias a mercê da crítica. Caros leitoresdo B’andhla, crítiquem as ideias de Cambane. Digo bem, as ideias e não a pessoa! Boa leitura!


“Diagnosticar Moçambique é um exercício interessante e necessário. Julgo que cada um pode oferecer o seu ponto de vista e quem de direito pode no final decidir o que interessa. Ficar calado é que decerto não constitui a opção.” Noé Nhamtumbo.


Começo por pedir emprestado estas palavras sábias do Noé Nhamtunbo, para iniciar este pequeno ensaio da análise da actuação da Nossa Policia.

Falar de polícia, é falar de uma área que é sensível para qualquer Estado Moderno, sendo caracterizado por uma escassez de informação obrigando muitos a entrarem na esfera da especulação, mas que por vezes é necessária.

No sector da Saúde, a eficiência dos médicos é medida pela redução da taxa de mortalidade, redução do tempo de espera do doente pelo medico, aumento da disponibilidade dos serviços de saúde a população, ou então uma melhoria na qualidade dos serviços postos a disposição da população.

Na segurança, a eficiência é medida através da Segurança Publica, numa sociedade onde o cidadão anda sem receios de ser assaltado ou na certeza de que se por ventura algum curioso o tentar despojar dos seus bens a Policia tratará de recuperá-los e quem sabe, chamar a responsabilidade o autor de tamanha façanha.

O sonho ou desejo do cidadão é de um dia poder andar na rua sem receios, bem como deixar a sua casa aberta com a certeza de que nada lhe vai acontecer, nem a si muito menos aos seus bens. Bem esta situação seria o óptimo, e seria ou deveria ser termómetro para nos podermos medir a eficiência da polícia.

Nos dias de hoje, a eficiência da policia, esta intimamente ligada à de Agostinho Chauque, colocando a policia numa situação de precisar deste famigerado para ser classificado.

O termo Realidade define aquilo que é real, tudo aquilo que acontece ou existe de facto, e uso neste ensaio para definir uma Policia que esta a perder terreno perante ao crime, por outras palavras, que esta a ser ineficiente no Combate ao Crime, uma Policia que deixou de ser policia para ser o delinquente.

O termo Mito que por definição é uma representação ou exposição de factos ou pessoas reais, ampliados ou transformados pela imaginação de forma que simbolizem um determinado conteúdo, e que neste ensaio uso para definir uma Policia esta a ganhar terreno no combate ao Crime, mas que tem os sues problemas, uma Policia que esta a ser alvo de interesses externos, onde ela tem sido vítima da sua própria eficiência.

Se não vejamos, muito tem-se falado sobre o Chauque, sendo que para mim e acredito que para alguns leitores também, trata-se de mais delinquente comum, mas que para a policia de uns tempos para cá virou o grande talismã da Policia.

É difícil e complicado perceber, como que uma Policia, com os recursos que dispõem, não tem capacidade de por fora de acção este delinquente, pior numa situação em que o Monopólio de uso da força, pertence ao Estado, personalizado na Policia.

Quer dizer nisto de usar a força armada, o Estado não admite concorrência de nenhuma espécie. Estando o Chauque fazendo uma dura confrontação com a Policia, não se percebe como ele tem vindo a ter algum sucesso, sucesso neste caso medido pela realização dos referidos assaltos.

Mas vamos divagar sobre as duas realidades.

Sendo o Agostinho um ser real, imagina o leitor numa situação em que a Policia apareça amanha a dizer que o Chauque, foi neutralizado, a minha questão é, o que será da polícia depois disso? É que ultimamente grande parte daquilo de Eu chamo de crime violento a Policia atribui a este homem, e do lado da polícia já caíram alguns dirigentes, sem que isso significasse o fim deste homem.

Sendo então o Chauque real, ela tem revelado uma eficiência tão extraordinária que põe a Policia numa situação caricata, é que sendo a policia uma organização composta por homens, e que ao nível do Estado ela é deve velar pela segurança Publicas, e dos cidadãos, só que nesta senda tem revelado falhado em alguns casos, dai as várias mexidas que acontecem no seio da corporação.

Outra questão é que a organização dirigida pelo Agostinho tem a particularidade de na sua esfera de acção não apresentar nenhum vitima inocente, quer isto dizer, não há os chamados danos colaterais, muito menos as chamadas balas perdidas que semeiam luto e a morte de inocentes. Outro aspecto curioso é que desde que começou esta guerra a organização do Chauque, ainda não mudou de chefia, quer dizer esta organização é tão eficiente que ainda nem se preocupou em mexer a chefia.

Isto é aquilo que Eu chamaria de uma organização perfeita, e que caracteriza-se por ter passos bem medidos, acções bem preparadas e principalmente com um nível de sucesso espantoso. Esta organização tem demonstrado uma eficiência tão perfeita que mostra uma boa estratégia de acção, chegando mesmo a baralhar a acção do seu adversário, tendo já provocado a morte de agentes da Policia que eram tidos como estrategas do outro lado, bem estamos a dizer em outras palavras que a organização de Chauque é tão perfeita que tem a ousadia de atacar as partes sensíveis da Policia, como foi o ataque ao DIO (departamento de Informação Operativa) que equivale dizer que é um ataque a torre de controle de uma base militar com as consequências que dai advem.

Agora paira a questão, que parte sensível da Organização de Chauque a Policia conseguiu atacar? Bem a Policia, ainda não atacou, pelo contrário, esta na defensiva, arriscando mesmo a dizer que a mesma a policia já há muito perdeu a iniciativa de acção, ou de ataque como se ousa dizer na linguagem militar.

Mas esta situação toda é tão espectacular que é difícil perceber, chaga-se a pensar que a organização de Agostinho Chauque é que é a Policia, e a Policia é que o grupo criminoso, isto pelas acções dos dois beligerantes.

Olhando a actual realidade criminal, acabo me questionando se realmente o Chauque é real ou não, pois sendo real pelos actuais indicadores, então a policia deveria deixar de ser, ou então ela perdeu por completo a sua esfera de acção.

Mas em algum momento, acho que na verdade o Chauque não existe, pois trata-se de mais um Mito, sendo real a criminalidade na Cidade de Maputo, onde por falta de explicação de alguns casos a Policia recorre ao Mito para explicar estes e outros crimes violentos.

Quer com isto dizer que talvez a Policia Moçambicana esteja a ser alvo de uma luta intestinal e que o Chauque não passa de um mero Mito. Ele não existe na verdade, é a Policia a lutar contra ela mesma.

Faz sentido sim este teoria de não existência do Chauque se repararmos que o Grupo deste sabe muita coisa, e até de mais, tem informações tão sensíveis que seria difícil imaginar uma situação tão deferente desta. Sendo o Chauque Mito, a Policia a Moçambicana estaria numa situação de estar a reorganizar-se, tal que os desaires que tem sofrido são fruto da sua boa acção e seria atribuídas a pessoas que tem outros objectivos a não ser aqueles deferentes dos objectivos defendidos pelo Estado.

É neste cenário de Mito, que o General Nkhalau esta a tentar moralizar a Policia, bem como reorganizar a mesma e neste diapasão vem cantando algumas vitorias, e olha que é só no cenário de Mito que pode ser explicado a Fuga de Anibalzinho, Samito e Todinho, bem como as mais recentes mortes de alguns oficiais da Policia, pois neste cenário de Mito existem Policias traidores e corruptos, que não vem meios para atingir seus objectivos que são contrários aos objectivos desta nossa bela Pátria amada.

Enfim Espero que o Mito de Chauque não vire realidade, pena que este Mito ajuda a perceber alguns aspectos da nossa Policia para a nossa infelicidade.

Cambane

5 comments:

Júlio S. said...

Por vezes me ocorre esta ideia da mistificação do A.C, como acredito que o Bin Laden é outro mito que justifica a continuação da Guerra ao Terrorismo.

O AC é o inimigo nº 1 da nossa polícia como o BL é o nº 1 dos EUA, que até onde sei, vão mudar o fócus da guerra do Iraque para se concetrar no Afegenistão onde se acredita estar BL.

Mas e a nossa polícia? Qual é o seu fócus neste momento? Em que é que ela se está a concentrar? Haverá alguma estratégia no combate ao crime? A linha de comando é clara, coerente e efectiva que garante o cumprimento das ordens emanadas? Como é que uma organização sem o aparato da polícia e, quiçá, da segurança do Estado - SISE - tem conseguido dinamitar o edifício da nossa segurança, inclusive, matando polícias e ameaçando através dos jornais os que ousam atacar os seus interesses?

É bom que as acções atribuidas ao AC sejam, mesmo, deste e que, sendo ele real, após a sua neutralização e desmantelamento da sua rede, voltemos a andar sem o medo de cruzar com polícias que a qualquer momento podem ser alvos deste homem e dos seus acólitos.

Mas isto é um ciclo vicioso! Cada época, em termos de criminalidade, tem os seus mitos. Quem se lembra da época do Niquinho? Tudo era achacado a este; depois de abatido, o crime não parou, desenvolveu-se, apareceram novos "perigosos cadastrados", que foram sendo neutralizados, até desembocarmos na quadrilha de AC que vai fazendo das suas.

Mas será AC o único Mito? E Anibalzinho e as suas fugas? Onde se enquadram?

Depois de AC criaremos outros mitos, cada um a seu tempo. Só que ai, seria bom que nos lembrássemos de, como cidadãos conscientes, cobrar a estes que achacam tudo ao Chaúque, as suas responsabilidades pelo período pos chaúque. O crime não parará depois deste...

Patricio Langa said...

Oi. Júlio.
Levantas questões interessantes, nomeadamente as de saber com que base de informação. Conhecimento age a nossa polícia. As vezes fica-se com impressão que andam a jogar a cabra-cega. Mas isto é mais uma vez, aque parece, e como tem defendido E.M, consequência das nossas instituições operarem num constesto institucional pouco claro. Quem responde por o quê? Que tipo de oprações são feitas em função de que informação. Enfim, cria-se sempre uma situação que acaba sugerindo que os criminosos tem poderes mágicos e/ou são super poderosos. O pior é que não admiraria que a própria policia nisso acreditasse.
Abraço
PS: Espero que o Cambane esteja atento.

cambane said...

Fico congratulado que este assunto tenha despertado algum interesse por parte de alguns leitores deste blog, e antes de mais vai um grande Khanimabo para o P. Langa, por ter-me acedido a este espaço.

A questão da mistificação do A.C. desperta uma outra questão, que é qual é a Estratégia que a Policia tem na luta contra o Crime, conforme o caro leitor Júlio aborda.

Mas Eu iria longe neste questionamento, qual será a estratégia que o Estado Moçambicano tem na luta contra o Crime, pois o caso de A.C. que Eu tomaria como exemplo, já a muito ultrapassou a esfera da Policia, apesar de achar que o Estado não deveria ser refém deste, mas porque o mesmo Estado deixa a Policia ser refém deste, sem tomar uma outra atitude, obrigando mesmo o cidadão comum a questionar pelo paradeiro do nosso SISE.

Tem sido apenas Policia que tem aparecido a falar do A.C, sabendo que existe outras estruturas dentro da estrutura de Segurança que deve ou já deveria ter-se pronunciado a respeito, como o exemplo o SISE, os serviços de Contra-inteligência Militar (que nos últimos tempos quase que desapareceram), o que de certa forma acaba fragilizando ainda mais a Policia através da deterioração da imagem desta.

É como diziam os Romanos, " A mulher de Cesar, não basta ser Fiel, tem que parecer", isto tudo para dizer, que a Policia não basta ser eficiente, acima de tudo tem que parecer super eficiente, nem que seja para desencorajar futuros criminosos.

Dai que a Policia deveria-se preocupar o em mostrar uma imagem de quem prende criminosos, ser implacável na luta contra o crime, ao invés de agarrar –se na questão do A.C.

Em relação a imagem, esta é de certa forma um dos cerne da questão, pois em algum momento chego a pensar que alguém esta lucrar com a crescente deteriorização da imagem da Policia. Pois ela continua a tudo fazer para se afundar cada vez no descrédito.

Hoje nós falamos da Policia, amanha falaremos provavelmente do Exercito e numa última analise quem sabe do trabalho do SISE, pois a existir uma estratégia de segurança em Moçambique, ela é quase que nula, dai que Eu ouso em questionar: Não estando o Pais em Guerra, qual é o desafio do sector de Defesa e Segurança.

Será que existe um protocolo de trabalho entre o nosso Exercito e a Policia, para casos de eles terem que virem a trabalhar em conjunto num futuro Próximo? Porque não dizer, uns exercícios conjuntos entre a policia e o Exercito para ver o nível de complementaridade dos dois?

Enfim, são várias as questões que existem e que me merecem uma reflexão por parte de Todos nós.
Debate esta em aberto

Cambane

freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,

Anonymous said...

Parece me que ja tem a resposta sobre a vossa duvida, a nao ser que queiram ser como o Tome.