Friday, March 28, 2008

Breve retorno!

E os acontecimentos que não se manifestam?!

As vezes desejava que os acontecimentos também se zangassem, como os Moçambicanos, e fizessem manifestações violentas. É que assim eles se paralisavam, como aquelas fazem ao país. Todavia, como sabeis, os acontecimentos não fazem manifestações e como tal tivemos desde que me ausentei do blog vários dignos de referência e análise. Por exemplo, houve exonerações relâmpago de ministros, para as quais não faltaram explicações. Como habitual, especulativas e redundantes na sua essência analítica. Em cada exoneração, os nossos analístas, repetem a mesma ladainha com linguajar metafórico diferente. Chicotada “psicológica”, “vassourada”, Guebuziana e por ai em diante. Pouco nos damos a pensar no nosso sistema político de forma analíticamente criativa. Poucos se questionam, por exemplo, sobre o que significa exonerar no nosso contexto. Se dantes debatiamos a ausência de exonerações, hoje debatemos a exagero das mesmas. Os critérios para sabermos quando é que o exagero é exagero, nada! Isso é assunto para lunáticos. Não acompanhei, mas acredito que depois das exonerações discutiu-se sobre se a medida do presidente era acertada ou errada. Quando é que uma medida de Guebas é acertada ou errada, no entanto, diariam alguns, é matéria para filosofos. E assim vai o país! A mais recente das medidas Guebuzianas foi a exoneração do Ministro da defesa. Para está as teorias 4x 4 - ( só para lembrar, chamo T4x4 aquelas que explicam tudo, e cujo princípio analítico reside na matriz- só pode ser!) – a todo custo encontraram relação forçosa com o 22 de Março do ano passado. Pode até existir! Mas que relevância analítica isso têm, se não sabemos e nunca dsicutímos os críterios que regulam e/ou normatizam a acção do presidente? Tudo, que se fez, e se faz ainda é especular.

Bom, não e minha intenção fazer um rescaldo de acontecimentos que me ultrapassaram. No entanto, permitam-me mais alguns palavrinhas. Ziqo! “Maboazuda” voltou a subir e desta vez a maneira de Dog-Style (estílo de cão). As T 4x4 encontraram logo um modelo racionalizador da coisa e ziqo virou um “ismo”. sugeriu-se algures a ideia de que no país ninguém estuda sexualidade. E eu que achava que malta Emídio Gune e Sandra Manuel -, só para citar dois exemplos bem conhecidos - um mestrando e outro mestrado e com o doutoramento em curso com tema sobre a sexualidade – fossem Moçambicanos!

Houve mais acontecimentos que não se manifestaram. Aconteceram! O grande Zimbabwe. Não aquele do Monoputapa, claro! O do uncle Bob(tio Bob), está na ordem do dia. É mesmo uma questão quente. Estava há dias na cidade Brasileira de Porto-Alegre no Estado do Rio Grande do Sul e o espírito do Mugabe me perseguiu. Depois de uma caipirinha lá veio o debate sobre o Tio BOB! Regressado ao Cabo, não se fala em outra coisa é só fazer “catla” num sinal de rádio ou TV e lá está o Zimbabwe. Infelizmente, neste assunto também abunda a mesma pobreza analítica. Ninguem, melhor poucos estão a debater as eleições no Zimbabwe. A questão central - como vi num programa de TV, hoje, que supostamente reportava os preparativos das eleições – é Mugabe must go! (Mugabe deve ir). Eu também acho que Mugabe devia partir. Só não acho, como alguns analístas, que Mugabe partir perdendo é a única possibilidade de as eleições serem livres e justas. É que o critério de legitimidade das eleições passou a ser a saida de Mugabe. Se Mugabe ganha logo – necessariamente - as eleições foram fraudulentas. Este e o critério de justiça dos críticos de Mugabe! Claro, como Mugabe já está demonizado – não custa sustentar que as eleições foram fraudulentas. Na verdade é no acto da vitória de Mugabe- se assim acontecer- que elas se tornaram fradulentas. Assim como será no acto da sua derrota- se isso acontecer- que num golpe mágico se tornaram livres e justas! Enfim, imagino o que imaginam de mim por pensar assim! Na conversa que tive em Porto-Alegre disse uma coisa que repito aqui: Mugabe é um probléma sério, mas não é o problema sério do Zimbabwe!

Hoje fico por aqui. Na verdade vim apenas, de forma abrangente, pedir perdão aos meus leitores assíduos pela longa ausência sem aviso prévio. Reparei ao abrir a caixa de mensagems do meu correio eletrônico que são inúmeras as pessoas que clamam pelo meu regresso. Alguns até vaticinavam o fim do “Olhar...”. A interrupção das postagens, na verdade, deve(u)-se a minha ausência por motivos académico-profissionais.

Para semana estarei em Maputo, onde penso entre outras coisas proferir duas palestras num dos campus universitários. Em tempo útil irei anunciar os temas, data e local, aqui neste espaço.
Até breve!






5 comments:

Anonymous said...

Mano Patricio, um amigo mandou-me para o teu blog, e nao entendi a historia do questionamento da minha nacionalidade... Podes avancar alguma luzinha ai? Espero nao tenha chumbo grosso por ai. Emidio Gune

Anonymous said...

Oi Gune,
O Patricio tá a dizer que ao contrário do que se diz por aí existem sim moçambicanos que estudam sobre sexualidade, tu e a Sandra Manuel são exemplos disso.

Patricio corrija-me se estiver errada.

Syntia

Patricio Langa said...

Estimado Gune!
Leia o que a Syntia escreveu!
Obrigado Syntia.
Até breve!

Anonymous said...

Obrigado pela elucidacao Syntia. Memoria lenta a minha, depois de ter visitado um outro blog acabei entendendo o contexto. Prezado Patricio, sem comentarios.

freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,