Tuesday, October 2, 2007

Em defesa da Universidade: o surgimento das pseudo-universidades em Moçambique. [2]

Um fenómeno Glocal por estudar![2]

Estou a gostar do retorno que estes textos estão a trazer. Estão a suscitar debate ou, pelo menos, inquietação. Na verdade escrevi assim com a intenção de provocar esse tipo de reacção. Aos que me perguntam: e a UEM? Bom, ainda bem. Vamos ver ao longo do debate se conseguimos situar a UEM. Quem sabe estamos servidos, no país, apenas de pseudo- universidades? Ou que se a tendencia continuar a ser esta essa será a moda do futuro? Não me precipitem a dar respostas quando ainda estou ( estamos) a tentar formular perguntas. A UP, como disse no inicio do texto, está a servir apenas de um exemplo. Um exemplo que não foi selecionado de forma aleatória. Reparem que mecionei que o actual reitor está atentar resgatar a UP para que volte a fazer jus ao nome que têm. Universidade.

A pseudo-universidade é um fenómeno típico de uma tendencia expansionista e de diversificação do ensino superior que merece ser estudado. De alguma maneira o estudo já foi iniciado. Não é um fenómeno local, apenas, mas global. As suas origens e caracteristicas peculiares, portanto, podem ser buscadas a esses dois níveis: local e global e vice-versa. A minha própria tese de mestrado versa, parcialmente, sobre este assunto. Procuro explorar suas determinantes globais e locais. É um trabalho que constitui um convite para o seu próprio autor embarcar numa aventura sobre a Sociologia do Ensino Superior em Moçambique. O título “The constitution of the field of higher education institutions in Mozambique, pode ser traduzido para: A constituição do Campo do Ensino Superior em Moçambique. É verdade que a preocupação central não era necessariamente com as pseudo-universidades, mas essas são também estudadas. A tese aborda a questão da expansão e diversificação de instituições de ensino superior em Moçambique de 1993 a 2003. O foco central está nas implicações dessa expansão para a estrutura do ensino superior em Moçambique, especificamente se aquela está a funcionar como um campo relativamente autónomo e hierarquicamente estruturado enquanto campo de pratica na base da distribuição de capitais (cultural, cientifico, económico e social).

Em poucas palavras, o principal objectivo da dissertação era estabelecer empiricamente o valor e a validade da teoria do campo do sociólogo, Francês, Pierre Bourdieu para a construção e analise do campo do ensino superior em Moçambique. Defendo que o modelo de explicação da transição de um sistema de ensino superior elitista para outro de massas - transição elite-massa - da conta da expansão apenas num nível unidimensional, e por isso não é capaz de dar conta das complexidades e diferenças dentro, do ensino superior. Sugiro, então, que o quadro teórico de Bourdieu permite-nos captar nuances que dão conta das relações de poder e da distribuição diferencial de recursos e status dentro do campo. A questão central que procuro responder e que orientou toda a pesquisa era: se a constelação de instituições de ensino superior em Moçambique está a funcionar como um campo no sentido que Bourdieu define aquele? Bourdieu define o campo como um espaço simultaneamente de conflito e competição em que seus participantes procuram estabelecer monopolios de diferentes formas de capitais efectivos nesse campo, autoridade cultural no campo artístico; autoridade científica no campo científico; autoridade sacerdotal no campo religioso e por aí em diante, e o poder para estabelecer hierarquias e ‘taxas de conversão’ entre os diferentes tipos de capitais e autoridades ocorre no campo do poder. Enfim, está é uma definição algo complexa e não gostaria de deter a vossa atenção nela. A questão que coloquei, no estudo, só para recordar era: e se fosse o caso de a constelação de instituições de ensino superior em Moçambique estiver a funcionar como um campo qual seria o princípio de estruturação desse campo? Noutros termos, o ensino superior está tornar-se um campo com a sua própria estrutura e dinâmica? Essas questões foram levadas a teste empírico num trabalho de campo realizado em Moçambique com quase todas instituições de ensino superior existentes e a funcionar até 2003. Entre outras conclusões destaco aqui duas: a primeira é que instituições recém chegadas ao campo são as que menos recursos, menos capital (cultural, cientifico, económico e social) granjeiam. Parece algo óbvio, dito, e a primeira vista, mas a tese procura demonstrar a tendência ou o padrão de acumulação dos diferentes tipos de capital e a partir dai interpretar a acção das instituições. Um palavra sobre coisas óbvias. Óbviamente que ciência para descobrir e ou dizer o óbvio seria até um exercício não gratificante, supérfluo. O mais interessante, pelo menos para mim, é descobrir o que se esconde por detrás do óbvio, que por ser óbvio tendemos a ignorar.

A segunda conclusão é de que aquelas instituições que já gozam de algum prestígio, casos como o da Universidade Eduardo Mondlane (UEM) e até certo ponto a UP, tendem a atrair mais status e recursos – capital vai para onde há capital. Como é que as demais instituições se viram, então, nesse jogo? E isto já não deriva das conclusões do estudo, mas pode ser inferido. Essas instituições vão usar estrategicamente os capitais que têm fazendo investimentos onde acharem que correm menos riscos e tem maior retorno. Um das estratégias, por exemplo, é criar pseudo-cursos. A outra é abrir escolas pré-universitárias e caçar os estudantes sedentos de prosseguir para o superior sem a chatice de chumbar várias vezes nos exames de admissão. O chamado propedéutico não é mais do que um reservatório (canteiro) de futuros estudantes universitários. Um periodo probatório, até, para avaliar a capacidade financeira dos pais para sustentar mais quatro ou cinco anos das própinas cobradas por essas instituições.

A questão central deste artigo é o surgimento das pseudo-universidades. Não pretendo por em causa a importância ou não do surgimento de novos provedores de ensino superior, mas sair em defesa de uma das instituições que mais valor tem para qualquer sociedade: a universidade! A seguir vou expor a concepção de universidade que defendo neste artigo. Quem sabe ai, os que me colocaram a questão sobre o lugar da UEM encontrem alguma resposta. [Cont.]

4 comments:

ilídio macia said...

No canto superior esquerdo do sue "post", consigo ver o edifício onde funciona a Reitoria da Universidade Eduardo Mondlane. Preferiste escolher a imagem da UEM... Já dá para presumir o lugar daquela instituição...

Patricio Langa said...

Ohh Ilídio.
Não pensei que aquela imagem fala-se! Uauuu, não foi intencional. Apenas tornou-se um hábito, meu, fazer acompanhar os textos de alguma imagem. Sim, trata-se do edifício onde ainda funciona a reitoria da UEM, mas podia ser outra imagem. És um observador atento!O texto continua.
Abraço.

Anonymous said...

Baby continuo a nao perceber onde queres chegar ou o que queres atingir. Como tu mesmo dizes no teu texto o interessante nao 'e descobrir o obvio, mas sim o que se esconde por tras do obvio. Aguardo a terceira parte quem sabe la cai o veu.

Mas continuo a achar que por seres "filho da casa"... ja sabes o resto!

Meliflua

freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,