Saturday, October 27, 2007

PRÉMIO MO IBRAHIM: Roubar a Pedro para pagar a Paulo!

acho este prémio muito estranho. alguém me explica o seu sentido? o que é que está exactamente a ser premiado? porque deve ser assim tanto dinheiro? não confere assim tanto dinheiro um poder político perigoso a um indivíduo em países como os nossos? o prémio é atribuído anualmente? há prémios desses para sociólogos ou devemos todos fazer política? estranho prémio!” [ Elísio Macamo].

Sabeis que este blog é preferencialnente mantido em Mozambiguês. Excepcionalmente surge-nos uma reflexão em Inglês , interessante, a propósito da recente atribuição do prémio Mo Ibrahim de “Boa Governação” ao ex-presidente de Moçambique Joaquim Chissano. Passada a euforia das reacções políticas, a qual alguns intelectuais e académicos alinharam, chegam-nos análises mais sensatas e criticas. O texto que se segue é de Issa Shivji, e analísa o sentido da atribuição desse prémio a Chissano. Elísio, aí está alguém que te explica o sentido do prémio. Agradeço a Prof. Teresa C. e Silva pelo envio do texto.

-----------------------------------------------------------------------------------

The Mo Ibrahim Prize:
Robbing Peter to pay Paul

Issa Shivji

Punishment is to deter; often to take revenge. Reward is to encourage. Rewards can also be a recognition for outstanding, usually, individual achievements. Which acts are liable to punishment and which are rewarded depends on the dominant values of society. These can differ from society to society and from time to time within same society. Issues of democracy and dictatorship, of war and peace, of governance and state administration, do not fall within the realm of a system of punishment and rewards.

Of course, victorious powers recognise their war heroes and vanquished bury their martyrs with honour. But then heroes of the victor are mercenaries for the vanquished and the martyrs of the vanquished may be terrorists for the victor. In other words, the issues of war and peace are contentious issues and can only be understood in their historical and social context. And so are the issues of democracy and dictatorship. Therefore, it is naïve, if not mischievous, to award a person – moreover with a cash prize – for bringing peace or democracy to his country.

It is even worse to cite “good governance” as an achievement for awarding an individual president of a country. What is “good governance”? Who determines what is good and bad governance? What yardsticks are applied? And why are these yardsticks applied only to Africa? Why doesn’t any one award a Norwegian prime minister for good governance or include “good governance” conditionality to lend Mr. Bush assistance or fund Martin Athissari to advise Bush on good governance? (Remember Martin Athissari, funded by the World Bank, came to Tanzania to advise President Mkapa on good governance.)

The point about these rhetorical questions should be obvious. Mo Ibrahim’s prize for a retired African president which was awarded to Joachim Chissano of Mozambique was in my view an insult to the African people. First, it is belittling African people. Dictators and undemocratic rulers exist all over the world, including the West which has arrogated to itself the right to judge others as “good man” or punish them for being dictators (Saddam Hussein).

Despots and dictators are not a monopoly of Africa. African people, like other people elsewhere, have always struggled against them. If they have attained some success in these struggles, it is their collective achievement. Their success is not due to particular qualities of any single leader. Good leaders are as much a product of our societies as are the bad ones. It is for the people to decide who is a good or a bad leader and how to award a good one and punish a bad one. I certainly cannot imagine Mozambicans (or any African people for that matter) awarding a 5-million dollar prize to Mr. Chissano. First because Chissano’s goodness itself is, I am sure, a contentious issue in Mozambique. Secondly, Mozambican people, if at all, would have awarded their leader by including him in a list of honour or putting his picture on a postal stamp. And if they had 5 million dollars to spare, they would have probably built secondary schools to produce future good leaders rather than give it away to Chissano to “live a better life” and invest in business (which is what Chissano said in a BBC interview he would use the money for.)

The worst disappointment in the prize saga has been its uncritical and unqualified celebration by scribes and even academics and intellectuals. Since this prize to a retired president was for stepping down from power or “good governance’ or bringing democracy and peace to his country, it was expected that analysts would go beyond the superficial and the obvious to a deeper understanding and explanation of issues of war and peace and democracy and dictatorships in Africa. Before we celebrate, we must understand what it is that we are celebrating. Before we applaud this prize to Chissano we must understand the history, politics and forces which underpinned war and peace in Mozambique.

The people of Africa have been involved in a long struggle against war and for peace and democracy and the struggle continues. In this struggle, they are pitted against not only their own immediate rulers but also against the erstwhile colonial and imperialist powers supporting them. Our dictators were not simply made in Kinshasa (Mobutu) or Central African Republic (Bokassa) or Entebbe (Idi Amin) but also in Washington or Paris or London and Tel Aviv. The vicious war in Mozambique was not simply waged by RENAMO but fully supported and instigated by apartheid South Africa backed by the US and western powers. Apartheid South Africa also claimed the life of the liberation leader Samora Machel and his leading comrades.

Chissano took over from Samora and under the tutelage of Washington steered the neo-liberal course. It is under this new direction that the former freedom fighters like Chissano’s family and Guebuza and others (with some honourable exceptions) began accumulating wealth and became businessmen. Chissano’s son Nyimpine, a businessman, was implicated in the murder of a journalist Carlos Cardoso who was investigating the fraudulent disappearance of 14 million dollars from the Commercial Bank of Mozambique in 1996. The story of wealth accumulation by political leaders in Mozambique is not that different from what we have been witnessing and debating in Tanzania. It is even on a larger scale. In Tanzania Mwalimu’s ghost has had greater restraining power on vultures of wealth than Samora’s in Mozambique.

As with economics, so with politics. The opening up of space after one-party authoritarianism did not just come about on a silver platter. People in Tanzania, Mozambique and the rest of Africa struggled for it. But as usual the rulers and their imperialist backers pre-empted the struggle for real democracy by imposing their own truncated version of neo-liberal democracy

So, when our leaders receive prizes for their democratic achievements we should ask ourselves for which and whose democracy they are getting a prize. Are they getting the prize for a neo-liberal democracy under which the World Bank and “development partners” (read: developed predators!) impose privatization of national assets and resources; under which their diplomats pressurize our ministers and governments to sign utterly one-sided contracts with the likes of golden sharks; under which the parliament is literally ordered to pass laws which have been drafted by their consultants like the Mining Act, under which our political leaders in a free-for-all pandemonium overnight become “wajasiria mali” and bankers and big miners? Is this the democracy for which the peasants, workers, youth, and wamachinga fought? In short, before celebrating let us ask ourselves what are we celebrating and whose music we are dancing to.

Without such critical understanding, I am afraid, we can end up celebrating and legitimizing the shaming and ridiculing of the democratic struggles and achievements of our people.

Mr. Mo Ibrahim: you have made millions of dollars from the sweat and blood of the African people. If you want to return a few million to the people, build schools, dispensaries, and water wells in the south of your own country rather than giving them to Chisasanos of this world. Do not add insult to injury by robbing (poor) Peter to pay (rich) Paul.


© Issa Shivji

22 comments:

chapa100 said...

patricio! acho que foi ainda este ano que o elisio macamo escreveu sobre o desabafo e a critica, se nao estou enganado. este texto tem carga de desabafo e de uma intrigante critica.
o chissano sempre que oportuno pos a "boca no tromboni". as vezes com mais "critica" outras vezes com mais "desabafo". lendo alguns artigos que tem aparecido na imprensa internacional em africa, este premio tras muitas inquietacoes, instigando o dialogo interno sobre o poder politico e governacao em africa para que seja mais ruidoso.

a cultura de bons exemplos nao e assim tao pacifica, a instituicao que atribuiu o premio a chissano divulgou ainda este ano um relatorio, um ranking dos paises africanos e o perfomance democratico, social e economico, e nao vi alguns africanos questionandos os metodos, instrumentos de analise e o conteudo do relatorio. passou despercebido.
celebrar este premio nao retira nenhum merito aos africanos na sua luta pelo desenvolvimento e contra a injustica. e nao acho que os academicos e intelectuais africanos ficaram desviados pelo premio, no seu exercicio quotidiano de "sacudir" a esfera publica ou os espacos da ciencia.

Elísio Macamo said...

patrício, o texto do shivji faz aquilo que tanta falta faz no nosso país. ou é preto, ou é branco. o meio, o nosso espaço crítico, não existe. se alguém tivesse atribuído a chissano o prémio de má-governação haveríamos de ouvir coros de apoio, inclusivamente de algumas das pessoas que hoje apoiam o actual prémio. depois de dar a volta pela cyberesfera quedei-me aqui e perguntei: o que significa este prémio? e confesso: estou com inveja de chissano. há aí alguém que me pague para eu deixar de ser sociólogo?

Patricio Langa said...

Jorge. Vi e li a tua nota de elogio poético - com poema de Craveirinha – a Chissano. Não acho mau que o tenhas feito, desde que sintas que tens razões suficientes para tal. Pessoalmente partilho as reservas do shivji e as dúvidas do Elísio quanto as razões e ao significado do prémio. Agora, não sei se concordo consigo quando consideras o texto de shivji como tendo mais carga de desabafo do que de crítica. E esse talvez seja o ponto central a comentar por que nos remete para a função social da crítica e dos intelectuais na nossa esfera pública. E ai, sim, a maneira como se celebra, ou melhor, como se reage a atribuição de um prémio como este a uma personalidade como Chissano merece a nossa atenção. Não se trata apenas do facto de ter sido Chissano, mas um ex-presidente africano. Qual é o sentido do próprio prémio, em si, no contexto político africano? Que mensagem é que ele lança as lideranças africanas? A de que vale apena fazer o negócio do Mo ibrahim? [Change power for money! Buy money with power!]. E não te esqueças: “Money is power”! E o que significa empoderar um ex-presidente neste contexto politico? O que é que está a ser premiado como alguns já me antecederam na pergunta? Ocorre-me uma frase de Frederik Chiluba quando saiu do poder na Zambia há alguns anos:- “Na minha casa quem mada é a minha mulher, mas quem manda na minha mulher sou eu, logo....”! Enfim, esses são devaneios meus.
O próprio prémio para mim não está claro, quais das três premissas estás a ser considerada?:
a) Mo Ibrahim está premiar Chissano por ter saido do poder? (quando a constituição lhe permetia mais um mandato)?
b) Está a premiá-lo por ter feito uma “boa governação” ao longo dos seus (L-O-N-G-O-S )18 anos no poder?
c) Está a premiar Chissano por ter negociado a paz?
a) Em relação a primeira, permanece a dúvida:- saiu de livre e espôntanea vontade ou foi traido pela trama dos acontecimentos a pós ele próprio ter admitido retóricamente que iria sair ( escute bem a entrevista que Marcelino dos Santos concedeu em Angola em 2005). Não me parece que Chissano tenha querido assim tanto deixar o poder. Teve várias chances de o fazer antes: [1986-94]; [1994-1999]; [1999-2004]. Porque é que a saida “voluntária” do poder tem que ser premiada? Não será essa a confirmação do - argumento "falacioso" - diágnóstico feito sobre a nossa (africanos)relação natural com o poder vitalício? Reveja as palavras de Chissano no Uganda após ter sido anunciado vencedor.
b) Em relação a segunda premissa, a da “Boa governação”! Aqui precisariamos trabalhar melhor com a noção de “boa governação” para sabermos de que estamos a falar. Que indicadores dessa “boa governação” estariamos a usar? Não me parece sensato usar a negociação dos acordos de Roma e o abandono do poder como indicadores da tal “boa-governação”. Todo discurso de Guebuza (Combate ao Burocratismo, ao deixa-andar, etc em suma a ineficiência do aparelho do Estado) parece-me um atestado de uma governação não muito boa.
c) Do acordo de paz nem preciso falar. Há realmente que reconhecer o mérito de Chissano pela tão propalada habilidade diplomática para negociar a paz. Mas será que ele tinha outra saida?

Patricio Langa said...

Elisio.
Acho que nem preciso te responder.

chapa100 said...

patricio! continuo dizendo que o texto tem a carga de desabafo e de uma critica intrigante. questionar os criterios e a natureza do premio é legitimo, mas com isso "chamar" atencao aos intelectuais e academicos para o perigo do festejo é problematico.boa governacao mais do que um conceito, é um processo. por isso requer indicadores progressivos e multidisciplinares. uma questao bicuda para as teorias de desenvolvimento.

o meu post é um elogio a paz, e este premio é uma premiacao a paz. e chissano foi um dos actores dessa paz, logicamnete como elisio diz é preciso olhar para a estrutura e o individuo.

Patricio Langa said...
This comment has been removed by the author.
Patricio Langa said...

Jorge.
Desabafo ou critica intrigante o certo é que shivji levantou uma dúvida pertinente onde muitos, incluido o Jorge, acha(va)m-se cheios de certeza. Isso, sim, é intrigante. Não há coisa mais intrigante que ter as nossas certezas e convicções abaladas. Deixando de lado a história da “boa-governação” - mas não pela sua complexidade analítica ou dificuldade de definição de indicadores operacionais – e considerando somente o aspecto da paz. Dizes bem, Chissano foi um actor, a-p-e-n-a-s um actor entre vários, dessa paz. Porque cargas de águas ele é o eleito? Tanto quanto eu saiba, quando por exemplo, os laureados prémios Nobel da paz surgem dum grupo de concorrentes que se consideram terem contribuido para o efeito. Neste caso, quem foram os pares de Chissano no concurso? Antigos chefes de Estados Africanos! É ai onde as coisas deixam de fazer sentido para mim. Afinal, o que é que está a ser premiado? Em 1993(?) se a memória não me falha Mandela ( ex-preso político) e De Clerk (presidente) dividiram o prémio num concurso onde participaram mais candidatos. Eu não vejo problema algum que, alguns, académicos e intelectuais festejem a “mola” que Chissano ganhou. É muita mola!Eish. Agora, as razões que estão a ser evocadas para terem escolhido o laureado, não são as mais plausíveis [Paz, “Boa-Governação” etc]. Mo Ibrahim é livre de dar a “mola” que tem a quem bem o entender. Mas não é a mola de Mo Ibrahim que vai lavar os nossos cérebros e fazer-nos ver gato no lugar de lebre. Quem deve dizer se Chissano fez uma "boa" ou "má" governação somos nós (intelectuais, académicos, povo Moçambicano). E isso não se faz apenas batendo palmas. Faz-se discutindo crítérios. E que eu saiba ainda não nos demos a essa tarefa. E a questão não fica apenas pela pessoa de Chissano. Porque é que os lideres africanos devem ser prémiados por - para- abandonar “livremente” o poder?

chapa100 said...

patricio! achas que nao ha certeza da paz ou do premio? nao acho que este artigo abana as minhas certeza. segundo a minha informacao chissano nao se candidatou a este premio, e Ibrahimo a dois anos atras anunciou que em viva voz que vai criar um premio para premiar os lideres africanos, e varios paineis envolveram-se na discussao sobre os criterios e levantaram as mesmas questoes como as tuas.

estas a pedir um exercicio de analise a uma pessoa errada. o discurso das razoes plausiveis nao pode ser misturado com a questao da desqualificacao do status que opera contra o perfomance e qualidade do trabalho que as pessoas executam.

outra coisa patricio, o marcelino dos santos sempre disse "coisas". o que marcelino disse nos ultimos tempo sobre chissano, ja comentava nos anos 90 na aemo em discussoes abertas com nos jovens. agora se existem premios que lavam cerebros eu nunca vi, ganhei alguns durante a minha vida e nunca senti o cerebro lavado.

existe varia documentacao fazendo analise da governacao de chissano, e estes slogans como deixa andar e outros sao uma manifestacao clara dessa discussao, outras vez com mais criterios cientificos, outras com mais folklore. em oxford e LSE, tem la teses, o mesmo encontraras no ISRI, na universidade do cabo ou na witts.

o facto de chissano ter chefiado um governo e um partido politico para alcancar a paz é um criterio determinante para enaltecer as suas qualidades. por isso no meu texto de "elogio" faco um ode a essa vontade que faz alguns homens impares, e a paz devolveu isso a muitos de nos, de sermos homens impares, previlegiados. tu e eu somos de uma geracao que esta a viver os beneficios dessa paz.
como tambem tive o previlegio de elogiar o dlhakama pessoalmente pela paz e outros actores que contribuiram.

Patricio Langa said...

Jorge.
Isto está animar. No entanto receio que a medida que debatemos entrem elementos novos por força dos recursos estílísticos ou dos exemplos de que nos socorremos para sustentar nossas posições. Por isso talvez seja conveniente tentar esclarecer (escarlecer) os pontos de discórdia.

• Primeiro esclarecer o ponto referente a “certeza”. É um aspecto marginal no debate. No meu entender havia certeza de que este prémio premiava (passe a redundância) as qualidades inquestionáveis de “boa-governação” do nosso ex-chefe de Estado. O artigo de shivji mostra que essas qualidades não são tão inquestionáveis assim. Quando é que a governação (neste caso de Chissano) pode ser considerada de “boa-governação”? É por isso que falo em critérios. Shivji, por um lado, faz nos pensar no sentido da atribuição desse prémio a Chissano e por outro lado no significado da atribuição desse tipo de prémios a lideres africanos em geral. Porque é que lideres africanos devem ser premiados por abandonarem o poder “livremente”? Porque são africanos? Em nenhum momento te vejo a responder esta questão fundamental.

• Segundo, vejo que o Jorge está bem informado quanto aos procedimentos que estiveram por detras da eleição de Chissano (que afinal, não se candidatou. Aceito a correção). Quero enfatizar, no entanto, que o maior problema, para mim, nem está no facto do premiado ter sido Chissano. O que não quer dizer que eu não tenha reservas em relação as qualidades que estão a ser enaltecidas como razão para premiá-lo. No entanto, acho que quem têm legitimidade para dizer se Chissano fez ou não “boa-governação”, no meu entender, são orgãos de soberania internos que nós próprios criamos. É o povo através das suas instituições democráticas e legitimas. Não é Mo Ibrahim ou sei lá quem que nós deve vir dizer com prémios que a governação de Chissano foi “boa”! Da mesma maneira que recusamos os relatórios americanos sobre o estado da corrupção, criminalidade etc pela sua iligitimidade deviamos pensar na legitimidade desse galardão de sancionar como “boa” uma avaliação que não fizemos. Jorge. Para ser sincero acho que ninguém devia colher galardão nenhum pela paz que o povo conquistou esta a saber manter em Moçambique. Ninguém! Senão tinhamos que cobrar a quem nos tirou a paz também. A melhor maneira que Chissano tinha de honrar essa paz e seu nome era não receber dinheiro (para o bolso pessoal, melhor para investir como ele disse que vai fazer) em seu nome e dizer que fá-lo em nome do povo. Chissano não fez favor a ninguém negociando a paz, cumpriu com sua obrigação. Ou não?E não me respondeste, teria Chissano outra saida, senão negociar a paz?

• Só o fui buscar para te fazer perceber que essa história de deixar “livremente” o poder esta mal contada. É uma estória. Não caias no erro de deitar “fora a água sua com o bebé”. Marcelino diz muita coisa sim e dí-lo de forma coerente. É mais coerente do que muitos que nós premiamos hoje como empreendedores disto e daquilo. E o facto de dizer não significa que diga tudo certo, e muito menos que eu concorde com o que diz. É preciso senso crítico para analisar o que ele diz. Na verdade, em relação a saida de Chissano do poder ele não diz directamente que Chissano não deixou livremente o poder. É na descrição que ele faz das circunstâncias em que Chissano sai do poder de ondo surgem as minhas dúvidas em relação a ideia de deixar livremente. Se se lê, também pode-se escutar, nas entrelinhas. Há silêncios que falam.

Elísio Macamo said...

patrício e jorge, vocês estão de parabéns por esta troca tão interessante de ideias. é isto que me pareceu faltar logo após o anúncio da coisa. nós os outros já estamos em muito melhor posição de perceber o que está aqui em jogo. pessoalmente, e considerando a longa história de patriotismo de chissano, penso que ele ainda nos vai surpreender. estou a imaginá-lo fazendo uma de várias coisas:
1. aceitar a "mola" e enviá-la direitinha ao orçamento do estado para reforçar a nossa capacidade de combater a pobreza, fazer o registo eleitoral (comprando melhores computadores e recontratando o carrasco), ou simplesmente comprar mais motinhas para a polícia;
2. tirar uma parte da "mola" para financiar a reforma de dhlakama e libertar a renamo da sua influência contraproducente; esta opção teria a vantagem de também reconhecer o seu papel no fim real da guerra; dhlakama podia, com a ajuda dessa mola, ser indicado como pca de uma ong com o nome "homens armados inofensivos" ou qualquer coisa assim;
3. tirar outra parte da "mola" para as campanhas eleitorais de raúl domingos e armando guebuza, as duas pessoas que negociaram a paz, de forma a que eles também (guebuza já lá está), uma vez no poder saibam sair a tempo (mesmo se não tiverem feito o que queriam fazer) e, com sorte, ganhar outro "mo ibrahim" e financiarem, por sua vez, outras coisas importantes como viagens de pesquisadores da uem ao districto (a este respeito, o fundo podia também financiar uma pesquisa informática para inventar um programa que apaga o japão do mapa sempre que um investigador da uem liga google earth);
4. tirar uma parte da "mola" (não sei quantas partes tem, mas em moçambique temos uma longa tradição de vender tudo aos bocadinhos...) para financiar, ele próprio, a construção do palácio da catembe e libertar, dessa maneira, o tesouro público desse encargo; colocar o machado da graça a fazer a supervisão do cumprimento disso;
5. criar um fundo para pesquisa sobre critérios de seja o que for e sempre que sobrar alguma mola por falta de qualidade das propostas de pesquisa oferecer a "mola" ao melhor blogue de moçambique;
6. tirar uma parte da "mola" para melhorar as condições nas nossas prisões, pois nunca se sabe quem vai lá parar;
7. financiar mais um índice de corrupção, integridade, liberdade, participação, inclusão, exclusão, accountability, etc.;
8. financiar estratégias, não importa de quê, o importante é chamarem-se estratégias;
9. aumentar as faixas de rodagem para chibuto de uma (em sentido único) para três para acolher os visitantes que hão-de afluir a maleíce para ir ver o museu de boa governação quando estiver concluído graças aos 200 mil $ da segunda tranche;
10. reconstruir as casas de banho do internato da escola secundária "Joaquim Chissano" em Xai-Xai e se sobrar algum reapetrechar a cozinha também;
11. criar um fundo "teodato hunguana" em honra do seu papel na negociação da paz para premiar bons juristas e outorgá-lo, na sua primeira edição, em conjunto ao ilídio, stayleir, júlio e outros juristas que mantêm consultórios na cyberspace; nas edições seguintes outorgar a um de cada vez, mas os mesmos, e quando todos tiverem sido contemplados voltar a outorgá-lo em conjunto e assim sucessivamente;
12. criar um fundozinho para ajudar o genito a ficar mais tempo em maputo (ao invés de andar a fazer consultorias) e trabalhar mais no seu blogue;
13. criar um fundozinho para recomprar o egídio da dfid de modo a que ele volte a ocupar-se dos seus blogues;
14. comprar café orgânico forte para o bayano de modo a que ele nunca volte a cair no sono dos justos;
15. financiar uma pesquisa informática para a criação de um software controlado pelo reitor da universidade pedagógica e que faz aparecer música de lucky dube (mas em ritmo fúnebre) sempre que o patrício escever um texto sobre a upização da uem;
16. conferir ao jorge matine poderes mágicos que lhe permitem pôr os chapa100 de maputo a correr em reversão de marcha sempre que infringirem o código de estrada; chamar a essa invenção de "plano andorinha 3";
17. enfim, vocês podem completar a coisa. para mim seria suficiente que ele desse uma boa parte dessa mola ao maxaquene e ao clube de gaza para se revezarem na conquista do moçambola por vários anos, pelo menos até a minha morte, para que eu também, finalmente, considere a hipótese de voltar ao xai-xai para leccionar cursos de desenvolvimento...
nós não conhecemos os nossos dirigentes!

chapa100 said...

patricio! escrevo-te cheio de humor, o texto do elisio, pode provocar enfarte a muita gente.

Voltando a nossa discussao. Este debate remete-nos ao debate sobre intelectuais organicos e intelectuais apologistas. Debate antigo, mas sempre de grande valor. E ainda remete-nos para uma discussao sobre o que deve ser excelencia e o que deve ser relevancia para atribuicao de um premio, ou no criterio que devem definir os candidatos a qualquer coisa em africa. A excelencia muitas das vezes é sinonimo de algo universal, produzido dentro de criterios que favorecem o „elitismo“. E a relevancia com aquilo que é particular, sinonimo daquilo que é nacional, o discurso identitario.

Issa Shivji (1993) muitas das vezes chamou atencao a passividade dos intelectuais, escrevendo que muitos intelectuais africanos destinguem-se pelo silêncio, submissão e subserviência e não coragem e coerência. Como este premio mostra a passividade de intelectuais? A paz em mocambique foi produzida e é sustentada fora dos espacos de exercicio da intelectualidade? Existe uma linha clara que separa o exercicio intelectual e o activismo politico? E para mim a paz foi uma conquista de mocambicanos, e a pressao dos mocambicanos da necessidade da paz pesou bastante no capital politico de chissano para poder negociar com sua gente na frelimo e com dlhakama em Roma. A experiencia em africa e em muitos teatros de guerra, mostra que sem a vontade e a qualidade do homens que conduzem a guerra nao se produz a paz.

O facto de chissano ter abandonado o poder aparece como um dos criterios para a atribuicao do premio a chissano. Aqui vou buscar o criterio da particularidade, esta atribuicao foge ao „normal“ das coisas em africa, premeia um homem pela extraordinaria contribuicao a sociedade feita por um politico, hoje muitos de nos entre nossos pares africanos podemos dizer que temos um presidente que livremente saiu do poder, sem guerra, revoltas, e machatadas na rua, que muito caracterizam nosso continente, uma parte da asia e america latina. E patricio, ate a Issa, esta precisando de role models, de lideres que saiem deixando um legado de liberdade intelectual e de expressao.

Agora se chissano tinha outra saida senao negociar a paz, essa é uma boa pergunta para os nossos historiadores. a guerra podia ter sido outra saida, e nao foi. Que condicoes existiam para chissano aceitar esta saida? Muitos analistas dizem que a guerra era mais lucrativa para muitos comparada com a paz. Falta muito material de estudo para ver que condicoes estruturais e conjuctura internacional favoreceram a paz como saida para chissano? Que obrigacao chissano tinha para assinar a paz em 1992 e nao em 1988? Que referencias chissano tinha para negociar a paz e deixar o poder?

Gostei patricio, que concordas que ha silencios que falam, e de que a estoria esta mal contada. Para mim o marcelino veio contar uma estoria que ele ate hoje nao consegue prova-la. Sem fazer uma analise mais profunda, guebuza foi chefe de bancada, depois secretario geral, e depois eleito presidente. E todo este percurso fez num processo de normalizacao politica em mocambique, com chissano como presidente. Que chamaria da decada da euforia, onde assistimos a uma emancipacao intelectual e politica em mocambique, sem precedentes em africa, num pais pos guerra e saindo de um monopartidarismo.

Com este premio nos mocambicanos ou mozambique pode reclamar a sua singularidade. Eu elogio a chissano pela sua contribuicao como politico para mocambique ter paz. Nao me aventurei a avaliar a sua governacao e os seus 18 anos de governo. Para isso, espero que reflectiremos em conjunto, como muitos ja o fazem em mocambique sem premios.

chapa100 said...

elisio! "16. conferir ao jorge matine poderes mágicos que lhe permitem pôr os chapa100 de maputo a correr em reversão de marcha sempre que infringirem o código de estrada; chamar a essa invenção de "plano andorinha 3". as tuas propostas deviam ser enviadas a mais tempo para o mano Ibrahimo, assim constariam nos criterios da atribuicao do premio. estando no 16, receberia migalhas, para "magicar" os chapas.

elisio, seguindo as tuas proprostas:
eu propunha que o nosso presidente, com este dinheiro, podia rehabilitar as casas de banho do cine africa, a catedral das artes como se diz, porque ate hoje nao entendo como a companhia de canto e danca, de que nosso premiado é patrono, recebe o selo made in mocambique, com uma casa de banho a jorrar agua, imunda, sem o minimo de higiene para ser uma vez catedral das artes.

Patricio Langa said...

Jorge.
Começo, talvez tardiamente, a perceber o caminho longo para onde nos leva este debate. Acho que não vou poder percorre-lo todo. Devo te dizer, no entanto, que valeu apena. Aprendi muito debatendo contigo. Aliás a experiência, neste espaço, mostra-me que aprendo mais daqueles de quem discordo do que o contrário. Tu és daqueles de quem discordo, pelo menos, neste assunto. Continuemos a pensar. Por falar em continuar a pensar deparei-me esta manhã, ao fazer a revista da imprensa local, com um artigo que me havia passado dispercebido. Agora tudo que fala de boa governação vem a minha atenção por tua causa. É um artigo de Kwaku Asante-Darko (Mail & Guardian edição de 26 de October). O título é: What is good Governance? Subtitle: criteria used to assess leaders depend on the priorities of those doing ranking. Uma coisa curiosa que notei é a seguinte: Segundo o ranking do Mo Ibrahim Gabão e Libia, cujos presidentes estão no poder desde 1967, estão bem a frente de países como Senegal, Ghana e Zambia que, como sabes, tem experimentado alternância no poder de forma democrática já há algum tempo. Caricato, não é. Pois é! São os critérios!
Abraço

ilídio macia said...

Caro elísio, o último comentário seu criou um equilíbrio interessante neste debate. Boa!!

Anonymous said...

Caríssimos,

Joaquim Chissano ja dedicou o premio ao povo mocambicano. Para mim a forma de ele materializar este gesto é endossar, incondicionalmente, o valor ao Orcamento de Estado Mocambicano. Nando Menete

Bayano Valy said...

As minhas fontes dentro da Frelimo me dizem que Chissano foi empurrado pelos camaradas. O grande dinamizador do feito foi o falecido Rafael Maguni. Marcelino também fez parte do grupo que apoiou a queda de Chissano. Recordo-me que quando do anúncio dos resultados eleitorais de 2004 o jovem velho disse-me que agora é que a verdadeira Frelimo iria governar. Perguntei-o se a do Chissano não era a verdadeira Frelimo, tendo-me valido um soco no peito pelo atrevimento. E meses depois, quando houve uma conferência para a juventude africana organizada pela FDC, Chissano veio em parte confirmar que tinha sido empurrado. O discurso dele foi de que não deveria haver mandatos para os presidentes visto que os mesmos, de alguma forma, defraudavam as expectativas dos cidadãos que continuavam a depositar fé nesse presidente. Para mim, o subentendido era que não fosse a Constituição, ele poderia ter continuado. Escrevi sobre isso a dizer que ele estava a confirmar o que se dizia pelos corredores de que fora empurrado. Na altura, recebi alguns telefonemas a desencorajar esse tipo de escritos. Espero que um dia elementos ligados à Frelimo escrevam as suas histórias.

chapa100 said...

bayano!sera que existem algum lider de um movimento ou partido politico sempre inquestionavel? a sociologia e a psicologia dedicou muita da sua ciencia estudando as varias relacoes e interacoes dentro de um grupo. os partidos politicos sao o resultado dessa luta de interesses, de espaco e de afirmacao, dentro de si mesmo e da sociedade . a pior propaganda é alguem vir dizer que a frelimo é una, sem atritos, aliancas, negociacao de interesses entre varios grupos la existentes. esses espacos e accoes de negociacao e interacao sao uma constante na frelimo, e em varios grupos, movimentos, partidos, com caracteristicas e forma da frelimo. o que interessa a muitos é saber como é feita essa interacao na frelimo? que instrumentos de coesao existem na frelimo? como se manifesta a alternancia de grupos de interesse na politica exercida pela frelimo? quais sao os grupos existentes? como se caracterizam? como manifestam ou exteriorizam o seu poder? que simbolos sao unitarios na frelimo e que manifestacoes ou accoes do membros da frelimo sao entendidos como anormais ou desastabilizadoes? ou poem em causa a coesao e a negociacao de interesses dos grupos que existem na frelimo? um lider sai porque esta cansado ou porque nao consegue negociar os interesses/politica pelo qual foi eleito/indicado?

entao nao basta vir ca alguem e dizer que ha entrelinhas na saida de chissano. precisamos de instrumentos de analise, para poder estudar estes "fenomenos" de "empura" presidentes. porque foi empurado? existia outra saida senao empurrar? empurar é um acto/accao normal na frellimo? porque tinha que ser maguni e marcelino dos santos? o que significa e ou que interesses defende marcelino dos santos e maguni? porque para maguni e marcelino o chissano era questionavel? questoes que merecem respostas. so podemos esperar que alguns historiadores e alguns insiders ajudem-se a exclarecer.

patricio, esta coisa de criterios é um grande fenomeno. o que seria interessante saber: quando é que os criterios sao nossos e quando é que sao criterios dos outros? qual é a relevanca dos espacos onde sao produzidos os criterios? como e quem legitima os instrumentos de " criteriarizacao"? se boa governacao é um conceito e conceito ambiguo, como anular a sua validade? que formulacao é proxima a boa governacao ou é sustituta a este conceito ou criterio? é um conceito de ciencias politicas, como é que ele nao pode ser emprestado a outras ciencias? faco estas questoes patricio, porque o nosso debate foi muito exclarecedor e de grande importancia na formucao de alguns problemas ou duvidas que este debate provocou.

Bayano Valy said...

Jorge, levantas questões muitos interessantes. Foi por isso que de algum modo disse que esperava que um dia os que viveram e vivem as histórias da Frelimo nos dessem os seus relatos. O que fiz foi meramente contar os factos a mim contados. Não há dúvidas que essa história aínda carece de maior investigação - mas uma coisa é certa, não podemos deixar de ler nas entrelinhas, até porque não temos todos os elementos.

Agora, quanto ao texto, penso que o que devemos debater é como é que a África chegou ao ponto em que os líderes são premiados por se comportarem como líderes!... A razão porque não há prémios na Noruega ou Reino Unido é a mesma. Porque na Europa não há programas como a NEPAD nem o Africa Peer Review Mechanism (pelo menos nos moldes concebidos para África). O resto são cantigas para nos fazer adormecer.

Patricio Langa said...

Jorge.
Voltei. Tinha dito e reafirmo que este debate só poderá terminar quando um de nós colocar o ponto final nele. Por si só é interminável. É como qualquer bom debate, não termina, é interropido. Prolongá-lo, pelo menos para mim, significaria dedicar mais tempo a investigar as razões que sustentam as premissas que apresento como contra-argumentos. Infelizmente, não disponho desse tempo. Tenho que fazer escolhas. A outra percepção que tenho é de que a medida que o debate prossegue somos levados a recuperar novas abordagens, buscar novos conceitos etc. Enfim, mais investigação. Afinal para argumentar, bem, é preciso estar informado. Para estar informado é preciso investigar i.e. buscar informação. Para buscar essa informação é preciso tempo. E tempo agora é um recurso escasso para mim. Mas, como disse antes, o essencial dos nossos posicionamentos ficou dito. As perguntas que fazes, e bem, mostram os passos a seguir. Oxa-lá mais gente se interesse. Valeu o debate.
Bayano. O problema da tua intervenção, para mim, é que tu é que es o principal actor (a fonte). Como te interpelar? [Veja quantas vezes usas o pronome possessivo e a primeira pessoa do singular].

Miguel de Brito said...

Sem querer entrar na discussão se Chissano recebeu o prémio por ter trazido a paz, pela sua governação pós-1994 ou por ter abandonado o poder quando ainda podia candidatar-se a mais um mandato, nem se Chissano merecia recebê-lo em qualquer uma destas "categorias", apenas gostaria de dizer que os argumentos usados para atribuir o prémio, a sua origem e o montante que envolve fazem dele uma espécie de "suborno" para que os presidentes africanos não tentem agarrar-se desesperadamente ao poder com medo de ficarem pobres ou de não terem acesso às mordomias que o poder político inerentemente contém. Este prémio parece afirmar que os presidentes africanos só estão no poder por dinheiro e só saiem do poder se ficarem financeiramente "garantidos" e, assim, abre um precedente para os presidentes africanos menos apreciadores de valores democráticos exigirem a sua generosa "pensão de reforma" para aceitarem sair do poder.

Já agora, podemos iniciar uma outra sub-discussão do mesmo tema: O que Chissano deveria ter feito ao o anunciarem como vencedor: (a) recusar o prémio aformando-se como democrata por princípio e não por dinheiro; (b) aceitar o dinheiro e investi-lo na promoção da boa governação em Moçambique; (c) aceitar o dinheiro e investi-lo no combate à pobreza em Moçambique; (d) "meter" o dinheiro ao bolso e investi-lo em negócios pessoais.

Anonymous said...

Eu encontro muitas similaridades entre o prémio Mo Ibrahim e o prémio Nobel, por exemplo. Neste último há estadistas, incluindo Presidentes e Primeiro Ministros, que são premiados em função do seu empenho pela paz. Algum dos companheiros pode me dizer para que é que nós elegemos estadistas para nos governarem? Para promoverem a guerra e a mortandade dos povos?

O que estou a tentar dizer é que se questionamos o prémio Mo Ibrahim, deveríamos também questionar todos os prémios Nobel.

Quanto ao valor: Continuo a pensar que este país não aprendeu ainda a lidar com a riqueza. Ou se quisermos, com o desafogo financeiro. Ficamos tristes, amuados e maldizentes quando alguém ganha o totobola. Os que julgam que 1.000.000 por ano é muito poderiam avançar quanto Mo Ibrahim deveria dar? 10.000? 100.000? A propósito, quanto ganha um indivíduo que teve a sorte de ser habilidoso no futebol? Deixem Chissano curtir na boa a sua sorte.

Obed L. Khan

freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,