Wednesday, August 6, 2008

Passar ou chumbar [3] (Fim).

Ninguém pode ser excelente em tudo.

Naqueles contextos em que existe alguma visão do que se pretende com os alunos estabelecem-se os critérios de como se irá definir qualidade para determinado fim. Criam-se condições para que, ainda no primeiro ciclo, se comece a prever as possíveis trajectórias profissionais dos alunos. Não se pode esperar que todos sejam médicos, juristas, motoristas, carpinteiros, sociólogos e por aí em diante. Não existe sociedade alguma feita só de Doutores! Ninguém pode saber e fazer tudo. O sonho de Marx do homem comunista, auto-suficiente, que de manhã é machambeiro e pescador, de tarde carpinteiro, ferreiro, cozinheiro e por ai em diante ruiu sem se concretizar.

Ninguém pode ser tudo e excelente em tudo! Já no século XIX, o fundador da Sociologia da Educação e da própria Sociologia, o sociólogo Émile Durkheim, havia observado que uma das funções da escola era preparar os indivíduos (socializando-os) para as diferentes tarefas (selecionando-os) que uma sociedade caracterizada por uma cada vez maior e complexa divisão social do trabalho preconiza. Uns iriam, obviamente, ser sapateiros, outros pedreiros, pastores, médicos e por ai em diante. Durkheim achava que não haveria funções mais importantes que as outras, pois existiria uma diferenciação funcional que requereria grande interdepêndecia e cooperação entre elas resultante da especialização. A esse tipo de interdepêndecia designou-lhe de ‘solidariedade orgnânica’.

Se a qualidade, para o ministro da educação, significar alcançar uma meta pré-estabelecida (por exemplo 100% de aprovação) por mais bizaro que isso pareça, então, esse é o seu critério de qualidade! Se a qualidade for definida como equidade de género, então, o critério irá considerar a proporcção de graduados por sexo. Qualidade pode também significar ir ao encontro das expectativas dos consumidores. Se a expectativa dos pais e ecarregados de educação for a de que seus filhos não reprovem nunca; essa pode, então, ser a medida da qualidade. O que estou a tentar dizer é que em função do que se definir (políticamente) como qualidade, então, determinados críterios serão chamados a intervir. Num outro passo pode-se debater sobre a validade e fiabilidade de tais critérios. É aí onde o papel de outros intervenientes (grupos de interesse) na sociedade se devia fazer sentir. Não devia ser prerrogativa do ministro da educação e um grupelho de conselheiros (que podem ser maus) a tomar essa decisão. Quais são mecanismos de participação e representação dos diferentes interesses nas questões que dizem respeito a educação no nosso país? É aqui onde reside o problema e a todos os níveis, do primário ao superior!


Estas são questões cruciais que ainda não começamos a debater de forma séria na nossa esfera pública. O ministério da educação toma decisões fundamentais, as vezes cabeludas, sobre a educação sem um debate que envolva os diferentes grupos de interesse da nossa sociedade. Faz-se isso muitas vezes consultando – consultando? - auscultando, parece melhor, um grupelho de indivíduos que chamam de “stakeholders”, alguns “ditos” especialistas, uma sociedade civil orgânica (é possível indicar com os dedos das mãos a sociedade cívil em Moçambique). Esse é o problema bicudo e que repetidamente se têm dito aqui que deriva de uma característica problemática do nosso sistema político em termos de (sub)representação dos vários interesses.Como e em que medida é que o interesse do machambeiro ou do filho, do médico, do carpinteiro, do professor universitário estão reflectidos e representados nessa medida dos 100%? Não admira, potanto, que as pessoas que tomem decisões sobre o que o sistema de educação deve ser para o povo, não tenham seus próprios filhos estudando nesse sistema. Estão, aqui, na RSA ou noutros países cujo sistema reflecte melhor suas expectativas e interesses. É suposto o ministério (ministro) da educação saber o que é “bom” para todos! É nesse contexto que surgem medidas como a dos 100% de aprovação. [fim].

3 comments:

Júlio Mutisse said...

Devo ser dos pais que mais vezes vão a escola dos filhos acompanhar a progressão/desempenho destes.

Nas reuniões de pais e encarregados de educação, perante a queixa da professora de que não há o devido acompanhamento dos pais relativamente ao desempenho de seus filhos ouvi pais afirmarem "se não se chumba".

Isto é/foi, mais um indicativo de que foram desenhadas políticas lá e deixaram parte dos envolvidos na ignorância do que se pretende dessa política. Resultado, temos pais se "cagando" para a educação dos filhos porque, NÃO SE CHUMBA.

Agora vem o ministro falar de 100% de aproveitamento. Não me admiraria que, na próxima reunião, um encarregado de educação do pior aluno da turma exigisse da professora a "progressão" do seu educando para que esta não comprometa a meta do Ministro, ou que esta se sinta obrigada a não pôr em causa a meta do chefe.

Premiariamos a burrice e a incompetência em detrimento da qualidade.

Elísio Macamo said...

caro júlio, caro patrício, concordo com a tendência geral do vosso argumento. não estou, porém, certo em relação à implicação de que os 100% do ministro significam o fim da qualidade. o ministro pode decretar essa aprovação em 100% como orientação às escolas, direcções de educação, encarregados de educação e professores para que eles decidam os critérios de preservação da qualidade. é possível que ele não tenha visto as coisas desta maneira, mas o contrário também é possível.

freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,