Sunday, October 5, 2008

Campo literário e a cultura de debate

O meu colega e amigo José Pimentel Texeira (JPT) publicou, no seu Ma-Shamba, um texto interessante sobre o espaço literário moçambicano. Está aí um daqueles lugares sacrosantos – outrora dominado pelos consagrados – e que resiste ao debate aberto de si próprio. Um espaço que recusa b’andlha. A AEMO (associação do escritores Moçambicanos) em particular, e o espaço literário Moçambicano, no geral, constitituem, no meu entender, um espaço social sui-generis de produção e legitimação da intelligentsia que tivemos e mantemos hoje no país. A aversão a crítica e a confusão entre debate e discussão é apenas um exemplo. Não se críticam génios, seguem-se-lhos! Quem os crítica só pode querer “aparecer” ou desqualificá-los. Não se pergunta o que é que a pessoa esta a dizer, qual é o mérito da questão que coloca. Não; pergunta-se: - quem é esse tipo? Quem ele pensa que é? Principalmente se o con-sagrado nunca se cruzara com o crítico em espaços como a AEMO. É desse espaço, mas não só, que suponho ter, senão surgido, pelo menos, ganho corpo alguma das característcas da actual cultura de debate de ideias nosso espaço público. Os Jornais e a academia, claro, seriam o outro espaço. Mas reparem que quem domina(va) num espaço também o fazia nos outros dois, particularmente no campo das letras. Os nossos escritores eram e continuam a sê-lo, em alguma medida, os jornalistas e os professores da faculdade de letras.

Penso que precisamos de uma sociologia do espaço/campo literário (artístico) Moçambicano para percebermos algumas das características da nossa esfera pública e da cultura de debate nele desenvolvido. Assim, a maneira como Pierre Bourdieu fez no seu polémico mais inovador livro “As regras da arte” precisariamos compreender melhor a génese e estrutura do nosso campo (artístico) literário. No caso Francês Bourdieu reconstrói a história da literatura francesa da segunda metade do seculo dezanove. Ao fazê-lo trás ao decima as regras que regem escritores e instituições literárias no seu país desmistificando, como lhe é característico, a ilusão do gênio criador todo-poderoso e apresentando os fundamentos para uma teória da produção artística.

No nosso caso, temos também os nossos “génios” criadores- a “consagrada familia”. Dessa família nem todos ganharam legitimidade pela genialdade da sua criatividade e produção literária, por exemplo. Nem todos se consagraram pela genialidade das suas ideias. No meu entender, hipotético, muitos ganharam legitimidade e autoridade de que desfrutam hoje, em espaços como a AEMO, pela cultura de debate que esta proporciona. Era génio quem estava moral e politícamente do lado certo. Daí a AEMO ter desenvolvido uma relação de simbiose particular com o poder político. Essa característica, se alastrou para a academia. Aqui também eram ou são os mesmos actores que predominam.

Sem querer tirar mérito, aos escritores, professores e jornalistas consagrados, sem querer aniquilar seu génio criador sob os efeitos das determinates sociais que espaços como a AEMO possam ter representado paras as suas criações e reduzir a obra desses ao meio AEMO, por exemplo, penso que precisamos de um estudo mais profundo sobre estes espaços para comprendermos melhor a nossa cultura de debate hoje. Quais são (eram) as regras da arte literária, ou melhor, quais era as condições de produção de um artísta ou escritor no nosso meio? E de um intelectual? Como se legitimam?

Recomendo igualmente a leitura do seguinte texto aqui e debates aqui.

11 comments:

haid mondlane said...

alô patrício


tenho "frequentado" a blogosfera a alguns meses e penso que nela podemos ver o mesmo fenómeno que fazes menção neste artigo.

acredito que cada sociedade faz a sua cultura. cada conjunto de pessoas que "vive" num determinado contexto cria o modus vivendi que o caracteriza e ao longo do tempo vai moldando-o segundo as suas mudanças. se a AEMO era um espaço onde o debate crítico tinha lá espaço primordial é porque aqueles que aí "viviam" agiam nesse sentido; cultivavam no seio deles o espírito crítico e estavam atentos e concentrados nos argumentos uns dos outros para que estes tivessem as bases necessárias. se hoje deparamos com uma mudança na cultura deste espaço é porque a sociedade que o compõe terá também mudado.

o mesmo pode-se verificar nos blogs que temos acesso. veja por exemplo a cultura deste blog e do "diário de um sociólogo". que diferenças encontras?

uma na minha opinião é essencial. o grau de criticidade que este exige contrariamente aquele e veja que ninguém controla a postagem dos comentários tanto num lado como noutro. é a forma como os outros leitores reagem a cada comentário que cria a cultura crítica deste espaço e naquele isso não se verifica.

abraços

Júlio Mutisse said...

Meus caros,

Quando comecei a frequentar a blogosfera o fenómeno que descreves era recorrente. As richas eram o pão nosso de cada click em determinados blogs e na confrontação entre ideias divergentes.

Noto um cero abrandamento dessas tendências. Se calhar porque a cultura de debate começa a enraizar-se em nós e a percebermos a necessidade e utilidade do debate de ideias para o nosso próprio crescimento intelectual e para o bem da nação que não pode, nem deve, multiplicar-se ou reproduzir-se na unanimidade.

É verdade que muitos dificilmente deixarão de considerar vozes autorizadas em tudo em que opinem. Isso é provavelmente porque durante MUITO tempo foram vistos e tidos assim.

Mas os tempos e as vontades mudam e começam a surgir pessoas com capacidade não de interpelar as pessoas (que nos merecem todo o respeito) mas as ideias que, enquanto tais, podem ser "pistoladas" questionadas, mas sempre com respeito a quem as emite.

O Haid foca em algo essencial. A cultura de debate. Muitos se habituaram durante muito tempo a enunciar "verdades" e não a debater ideias. O advento da constituição de 1990 e a abertura à democracia e à tão propalada liberdade de expressão e opinião, bem como a crescente aparição de cidadãos críticos e com formação, veio "ameaçar" o espaço dos "donos" da verdade.

Foi de um membro da AEMO que ouvi pela primeira vez "quem é Júlio S. Mutisse?" notem que não discutia (através do jornal que esta coisa de blogs entre nós é nova) o nome do aclamado escritor. Discutia o que tinha dito dos nossos heróis.

Mas vamos chegar lá. Vamos chegar a uma época em que discutiremos os assuntos sem nos preocuparmos se é Mondlane, Langa, Mutisse ou Macamo.

Temos que ver a Bandla com uma espécie de máscara que esconda a pessoa e releve as suas ideias.

chapa100 said...

alo patricio! andei fora da blogsfera e volto e ja encontro um bandla activo. os meus parabes pela tua capacidade de renovacao de ideias.

eish...falar da AEMO implicaria falar da critica? e como falar da critica literaria sem falar da AEMO?

ontem vi a grande entrevista na STV com o pinto naguib, ele falou do papel da critica e foi bom saber que o campo critico existe. existe no artista e a propria arte tem o papel critico.

Elísio Macamo said...

"as richas eram o pão nosso de cada click...". fizeste o meu fim de semana, júlio! concordo com o que vocês escrevem. noto também uma mudança na qualidade de debate, ainda que apareçam por aí pessoas que teimam em não querer discutir. ontem visitei o outro blogue mencionado pelo haid mondlane e deparei com um comentário em que o prof. serra chamava atenção a uma das intervenientes para moderar o tom. ansiei tanto por um comentário dessa natureza no momento das richas há alguns meses atrás, um simples distanciamento em relação aos ataques pessoais que se fizeram a mim em defesa da sua infalibilidade. mas está de parabéns por este acto corajoso e digno. estamos a mudar. jorge, estive em xai-xai e não te vi.

Júlio Mutisse said...

É difícil encontrar o Jorge em Xai-Xai. É capaz de ser mais fácil encontrá-lo em Xigubo ou noutro "polo" que não seja Xai-Xai.

Estamos a crescer.

Patricio Langa said...

Oi. Jorge.
Parece que és procurado!
Obrigado por passares por aqui e deixares o teu “olhar”!
O nosso desafio é fazermos uma crítica cada vez mais crítica.
Quer dizer, uma crítica mais congruente com o sentido de crítica.
Abraço

Patricio Langa said...

Oi. Elísio.
Gostava de ter a mesma impressão quanto a mudança para melhor da qualidade da crítica e do debate. O professor Serra não sera o único indicador dessa mudança, se bem que pelo espaço e prestígio que têm na nossa esfera pública seria desejável notar essa atitude da sua parte. Achei muito estranho a ambiguidade e incongruência com que tratou um professor da faculdade de educação da Universidade Eduardo Mondlane. Esse professor, psicólogo, fez uma pesquisa se não me engano para o seu mestrado, sobre percepções de crianças de três escolas primárias da província de Maputo em relação à beleza feminina. Uma percentagem significativa das crianças mostrou preferir as cores claras. O estudo, mas principalmente a maneira como o autor foi inicialmente tratado no Blog do professor Serra causou uma série de reacções emocionais que se traduziram no ataque pessoal a pessoa do pesquisador e não ao estudo em si. Que os demais comentadores tivessem atacado o pesquisador nem me importava tanto.A maior parte dos que lá comentam só fazem isso. O que achei estanho, hoje essa postagem está alterada, é que o professor Serra ao questionar os problemas metodológicos do estudo fez questão de frizar que o autor era professor de metodologia na faculdade de educação tendo inclusive publicado seu programa de ensino no blog. Implicitamente estava-se a questionar como é que um pesquisador que produz um estudo com problemas metodológicos pode ser professor de metodologia na UEM. Já não se estava a discutir a metodologia do estudo, mas o professor de metodologia na UEM. Eu recordo-me de ter questionado a metodologia do estudo sobre os linchamentos feito pela Unidade de Diagnóstico Social e orientado pelo professor Serra, mas nem por isso me autorizei a questionar as qualidades do professor Serra enquanto professor de metodologia no departamento de história da UEM. Assim que se apercebeu disso, mudou tudo se! Hoje o psicólogo Vera CRUZ, autor do estudo, tem dedicado a si uma série: a “Cruz do Vera Cruz” onde se analísa a reacção das pessoas ao estudo de Vera Cruz. Hoje os preconceituosos são os comentadores e não mais o professor. O verdadeiro sinal de mudança começa quando se aceita que se cometeu um erro. Ainda há gente atenta aos detalhes!

Elísio Macamo said...

patrício, acho isso muito estranho. isto revela também a falta que revistas científicas fazem para podermos fazer recensões críticas de livros e estudos. as recensões em blogues ou em jornais não são suficientes. há sempre o risco de não sermos suficientemente profundos para honrar o esforço dos autores.

Patricio Langa said...

Elísio.
Sim, a falta de revistas ciêntíficas constitui uma lacuna muito grande. Mas a esta postura, no debate crítico de ideias, também pode ser transposta para as revistas ciêntíficas. E ai até terão outro tipo de autoridade. Enfim, espero que esteja enganado.
Abraço

haid mondlane said...

alo a todos.

andei um pouco longe da blogoesfera mas vim dar "uma vista de olhos".

gostaria de chamar a atencao a um aspecto que reparei com a divulgacao do estudo do dr Vera Cruz.

Tanto nas intervencoes dos telespectadores, feitas aquando da ida do dr. Cruz a STV como no blog do prof Serra, muitas das REACOES (APAIXONADAS) procuravam descredibilizar o estudo; alguns telespectadores pediam ate que o dr Cruz nao abordasse esse Tema pois "...o povo mocambicano ja ultrapassou isso".

percebi ao longo de muitas destas reacoes que a interpretacao que se fazia do estudo e que este dizia que as mulheres brancas sao mais bonitas que as negras e tal afirmacao mexeu com a auto-estma das pessoas (incluindo academicos).

na minha forma de ver, este estudo ressuscitou uma questao RECALCADA no incosciente da nossa sociedade. ainda vivemos com o fantasma do colonialimo, racismo e subvalorizacao da raca negra. Ao trazer aquela conclusao o dr Cruz levou a sociedade a trazer a conscincia o "evento traumatico" pelo qual a sociedade passou.

perspectiva ousada a minha, sei. mas penso ser util comecarmos a analisar tambem este tipo de reacoes que se verificaram apos a divulgacao do estudo.

pergunto-me: que outros fantasmas mais teremos? que outros acntecimentos temos RECALCADOS, que nao foram devidamente elaborados?

estas sao questoes que precisamos comecar a analisar.

abracos a todos

freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,