Wednesday, January 23, 2008

Olívia Massango e o dilema desenvolver ou ecologizar!

"Na actualidade, fala-se muito em protecção do meio ambiente num contexto de protesto às acções de desenvolvimento. como se fosse possível a evolução do homem sem roubar à natureza a sua natureza. Em Moçambique, basta recordar que em 2007 a Justiça Ambiental esteve empenhada em alertar o Governo sobre vários casos que considera constituirem uma ameaça ao ambiente, caso do projecto Mphanda Nkuwa, alegando exposição a riscos ecológicos, sísmicos, sociais e económicos". Leia todo o texto aqui.
Recorde-se também o que escrevi em tempos sobre este assunto aqui e aqui .

6 comments:

Elísio Macamo said...

caro patrício, li e gostei do texto da olívia massango. gosto muito da forma como ela se interpela a si própria e procura, sempre que possível, não basear a sua reflexão em certezas. isso liberta o autor e permite um olhar mais profundo sobre as coisas. suponho que isso torne menos agressiva a reacção à uma possível crítica. o argumento que ela desenvolve precisaria de ser discutido com maior profundidade. ela sugere um dilema que me parece falso. não tenho a certeza se a opção é entre desenvolvimento sustentável e satisfação das nossas necessidades. o desenvolvimento sustentável pode garantir a satisfação das nossas necessidades. o que seria necessário discutir era, talvez, a questão de saber como se manifesta o problema ambiental no nosso país. o que está em questão? talvez dê para um dia destes formular um dilema moral a ser discutido lá no "ideias críticas".

Patricio Langa said...

Caro. Elísio.

Concordo com a tua observação. Não quis ofuscar o argumento da Olívia sugerindo a falsidade do dilema. Na verdade a falsidade do dilema é defendida por Bruno Latour há muito tempo. Num livro intitulado Política da Natureza, Latour propõe uma ecologia política com um carácter profundamente democrático. Parte do pressuposto que a participação de todas as partes interessadas, até os não-humanos, como a floresta, os bichos, as minhocas, representados por cientistas e defensores dos animais, ao lado dos camponeses, dos sociólogos, dos economistas e dos artistas é fundamental. O que se assiste aqui em Moçambique, conjecturo, não é bem isso. Meia dúzia de “especialistas” na re-produção do discurso ambiental (de risco) prefabricado globalizado falam em nome dos camponeses em Gôndola em salas refrescadas e climatizadas, em workshops, seminários etc a brisa do Mar. Para variar a política (real politik) entra na jogada para responder a mesma lógica. Há um sério problema comunicacional e de representatividade de interesses na formulação da questão ambiental. Questionando os chavões da ciência, da ecologia e da política – especialmente de esquerda – Latour desafia modernistas e pós modernistas (e eu diária os ONGistas), em busca de uma melhor formulação e representatividade na política ambiental.
O argumento emocional na base de poemas, hinos, marrabentados ou Hiphopizados etc que nós adoramos mascara um problema mais profundo. Aquele camponês de Metangula sente-se representado (nos seus interesses) nas canções e hinos ambientais das ONGS Maputistas? Quem reage imediatamente a esse tipo de formulação emocional do problema ambiental é a indústria da compaixão, disponibilizando mais e mais fundos. E assim vai o país! Os meus textos, sugeridos através dos links, abordam de leve esse debate mais no sentido da necessidade da formulação do problema ambiental para nós? É um problema moral? É uma questão de definição de riscos que envolve leigos e especialistas? É a extensão de um discurso ambiental localizado – ocidente (países desenvolvidos) – a escala universal com soluções (one size fit all)? É o apelo ao “Retorno do Bom Selvagem” para o qual nos alerta Severino Ngoenha?
Enfim, a formulação dos problemas é a busca da solução por outros meios (modifiquei Foucault): “A política é a continuação da guerra por outros meios”. E podia dizer o mesmo do debate de ideias!
Aguardo o debate (moral) no “ideias criticas”.
Um abraço.

Bayano Valy said...

caros patrício e elísio,
a olívia é de facto uma das jornalistas mais esclarecidas da praça, embora cometa os seus pecados. pena é a outra (burdina muhale) não escrever com regularidade - também escreve bem.
o meu dilema em relação à construção da barragem mphanda nkuwa tem mais a ver com aspectos económicos. a racionalidade para a construção da barragem assenta mais no pressuposto de que a áfrica austral sofreria um défice energético em 2007 (já estamos a sentir isso). o mercado de mphanda nkuwa seria primeiramente a áfrica do sul, e depois os outros países. a áfrica do sul enfrenta neste momento uma grave crise de energia, seguido do zimbabwe (não tem dinheiro para pagar). a zámbia decidiu desligar-se do zimbabwe no esquema de interconexão que tinham. pois bem, o que moçambique não está a ver é que a áfrica do sul já começou a trabalhar no sentido de criar fontes alternativas de produção de energia. as antigas centrais de carvão foram reabertas e paulatinamente está-se a elevar a capacidade de produção de energia. até 2011 já se terá, no mínimo atingido, um total de kilowatts que a permita satisfazer a demanda - neste momento a economia sul-africana está a ressentir-se da crise, o que desencoraja os investidores. a áfrica do sul não vai esperar que moçambique construa a sua barragem, e mesmo que esperasse a produção de mphanda nkuwa não seria suficiente. o que, em minha modesta opinião, moçambique devia fazer é concentrar-se na optimização da hcb (aumentar a sua capacidade) porque países como a suazilândia, que se ressentem das reduções na áfrica do sul, já começaram a bater a porta. alguém pode dizer que talvez a estratégia mais lucrativa seria construir uma nova barragem (mphanda nkuwa, neste caso), mas seria a viável?

Elísio Macamo said...

na semana passada estive em joanesburgo e senti muito bem o problema energético. até parecia maputo nos anos oitenta! bayano, tens razão quando dizes que precisamos de incluir esses aspectos na reflexão que fazemos. isso é essencialmente político. pessoalmente, patrício, nunca fui grande amigo dos escritos de latour, sobretudo esta noção de híbridos que ele tem, mas uma ideia que acho particularmente genial é aquela que assenta no pressuposto de que os que se consideram modernos nunca realmente foram modernos. se a memória não me falha ele referia-se à distinção entre cultura e natureza que nunca chegou a ser feita, apesar de a ciência ocidental assentar nesse pressuposto. eu tomo essa ideia para pensar que o político se constitui justamente aí, isto é, na tensão entre cultura e natureza. toda a coerência do discurso ambiental vem daí, ou melhor, as indecisões do nosso sistema tecnológico acabam criando espaços de articulação de dsejos. o assunto é sem dúvida interessante. continue com a reflexão.

Anonymous said...

"O retorno do bom selvagem". Gostei Patrício. Como formular o problema ambiental de modo a que os africanos o assumam? Muitas vezes, os discursos das ONG's a que Patrício se refere caem em ouvidos de mercador porque as pessoas desconfiam instintivamente que esses discursos se destinam a manter África na idade mediaval.

No entanto, o problema ambiental é, algumas vezes, real. Como formula-lo de modo a que nós o entendamos. Ou talvez a causa da desconfiança esteja no facto de, no geral, os africanos não serem os actores desses discursos?

Obed L. Khan

freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,