Wednesday, July 25, 2007

O facto de não implica que[1].



Que o Magazine Independente foi assaltado é um facto. Que o Magazine Independente ficou materialmente destroça idem. Que a destroçamento poderá ter afectado a publicação normal do semanário é consequente. Enfim, esta cadeia de implicações poderia prosseguir.
O que não me parece ser consequência lógica e portanto conclusão óbvia e necessária é de que alguém queira silenciar o Magazine por todas aquelas razões arroladas no seu editorial de hoje que irei publicar aqui. Não estou a dizer que não seja o caso. Estou a sugerir que informação de que dispomos, pelo menos a publica, não nos permite tirar essa conclusão. Maputo vive, como o próprio Magazine tem reportado, uma onda de crimes a luz do dia. Ninguém sabe ainda, efectivamente, qual é morfologia do crime, como sugeri há dias. Ninguém, nem a policia, conhece a geografia do crime. Nestas circunstâncias não nos pode restar apenas a hipótese baseada na “acusação de feitiçaria” segundo a qual “só podem querer nos silenciar”! Esta forma de pensar, conspiratória, não no possibilita abrir outros possibilidades. Limita-nos!