Thursday, April 19, 2007

Trocos papelinhos, trocos rebuçados

Elton Beirão regressa ao debate!

Desta vez decidi ser “incherido” e meter a foice em seara alheia. Penso ser seara alheia porque me parece ser assunto dos economistas. Mas como estes não se pronunciam a respeito, vou eu dar o ponto de partida na tentativa de “cutucar” os mais abalizados na matéria a reagir.

Estava eu numa daquelas limpezas que ocupam toda manhã dum dia de final de semana e que tem o objectivo expulsar as baratas de casa, não que hajam muitas, mas para evitar que se multipliquem e se apossem da minha papelada. Foi abrir gaveta a gaveta e seleccionar a pente fino os papéis que já perderam utilidade para serem posteriormente encaminhados ao contentor de lixo (ainda falta-nos a cultura da reciclagem). E nessa selecção minuciosa de papéis, chamou-me atenção o facto de ter encontrado muitos papelinhos, talvez mais de quinze com mesmas características. Em todos podia se ler: troco X meticais data assinatura. Pois. São os trocos que muitas vezes recebemos um pouco por toda parte. Vasculhem as vossas gavetas, carteiras ou bolsos e com certeza encontrarão alguns desses trocos papelinhos. São papelinhos que recebemos e muitas vezes não voltamos para reclamar, salvo em caso de quantias que consideramos elevadas.

E o que me inquieta nisto não é o facto de eu ter encontrado esses papelinhos em minhas gavetas, mas o facto de a prática ter se enraizado de tal maneira que os comerciantes emitem e os consumidores recebem os tais trocos papelinhos sem questionar e com a maior naturalidade. Inquieta-me ainda o facto de a prática se ter generalizada diante impassividade do Banco de Moçambique (BM). Que eu saiba, em Moçambique a única entidade responsável pela emissão de moeda é o BM. E quando um comerciante escreve num papelinho X meticais de troco, não estará este a emitir moeda e lançar ao mercado mais do que o previamente definido? O que dará o somatório dos trocos papelinhos e a moeda introduzida pelo BM? Não há aqui um acréscimo de moeda ao Mercado? O BM tem controle da quantidade de trocos papelinhos que circulam nos bolsos das pessoas? Não poderá esta prática contribuir para inflacção?

Ainda corro o risco de ao invés de dar moedas ao meu irmão mais novo para ir a padaria comprar pão, juntar uma série de trocos papelinhos que recebi em diversos locais (bares, cantinas, mercearias, etc.) e usa-los como meio de compra. Bastará convencer ao padeiro que os papelinhos não são falsos e são fiáveis. Assim o padeiro poderá usar os mesmos papelinhos para consumir nos bares, cafés, cantinas, etc. que emitiram tais trocos papelinhos. Imaginem então se uma série de comerciantes entra em acordo e cria uma rede onde clientes com trocos papelinhos duma casa possam utilizar em outra? Não estaríamos a colocar o metical e o BM fora do processo de emissão e controlo da moeda?

E os trocos rebuçados? Lembram-se destes? Acreditem que já aconteceu comigo receber trocos rebuçados e dias depois voltar ao mesmo estabelecimento com os mesmos rebuçados acrescido de umas moedas e conseguir consumir um refresco. Imaginem um colega pede emprestado dinheiro para consumir um refresco na cantina habitual e ao invés de moedas entregam uma série de rebuçados que servirão como moeda de troca. Não estaremos retornando a economia de escambo? Não preciso me alongar mais nesta questão.

Não seria importante fazer um estudo para perceber a dimensão e impacto da prática de trocos papelinhos e trocos rebuçados?
Não sou economista e talvez a minha preocupação não tenha razão nenhuma de ser. E ficarei muito feliz se aparecer um especialista no assunto para me “desinquietar” em relação aos possíveis impactos negativos dos trocos papelinhos e trocos rebuçados.
E quanto ao papel e responsabilidade, ninguém me vai convencer que o BM não está se mostrando incompetente e colocando-se a margem, assistindo de camarote essas práticas ganharem terreno. E com isto está permitindo que lhe façam concorrência no processo de emissão da moeda.
SOCORRO! “Desinquietem-me”

Elton B.

3 comments:

Anonymous said...

O compatriota levanta uma preocupação que é também minha. Nao poderei contribuir valiosamente porque não sou economista embora sita prazer quando meto o meu nariz em tigelas alheias.

Para mim, mais do que os efeitos nocivos que esta pratica possa eventualmente trazer a economia no seu todo, o "chato" reside no periodo de vida util que esses trocos têm. Por exemplo nos locais por onde tenho feito compras, o vendedor faz questão de dizer que "o senhor deve levantar o seu dinheiro antes das x horas porque depois desta hora..." Agora, se porventura não puder ir a cantina antes do fim do prazo (que normalmente não excede 24horas)o valor reverte-se a favor do comerciante.
Se tivesse que contabilizar o valor dos "papelinhos troco" em minha posse, teria o suficiente para garantir um bom almoço num lugar diferente a minha familia...

Que alguem ponha termo a esta pratica.

Jorge Saiete

Patricio Langa said...

Nem o metical da nova família, que reintroduziu os centavos está resolver o problema?

freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,