Wednesday, May 16, 2007

Música Moçambicana

Timóteo Bila é estudante do terceiro ano de Ciências Sociais na Faculdade de Letras e Ciências Sociais da Universidade Eduardo Mondlane.

Espelho de Revolução Sexual e de Discurso sexista
Por Timóteo Bila

É este ofício consolador da música: Ela se expande como a luz, circula como ar, suaviza as agonias, e o seu eco perdura por todos os lugares onde passa. Um canto de dor, uma lírica de paixão torna as paixões de amor belas; enobrece-as e justifica-lhes os excessos.”
Ettore Moschino (Escritor e Jornalista italiano)

Por uma simples comoção apaixonada, assuntos relativos a relações sociais, a género, a simbolismo social das relações de poder, me atraem a contemplá-los. Não a explicá-los cientificamente dado à minha pequenez intelectual dentro da bendita industria da razão técnica. Por isso, o que se segue é destituído de toda a frigidez conceptual científica. Trata-se de uma simples “tagarelice” que se quer uma reflexão sobre a nossa música como um espelho dum fenómeno inimaginável em décadas passadas – a revolução sexual, e de um conformismo alegre ao domínio do ego masculino nas relações do género.

Em A Política, Aristóteles, em capítulos cujo conteúdo é a importância de educação musical aos cidadãos (livres), considera a música um jogo, um passatempo, para além de ser uma ciência. Ao cidadão não se pode privar um mínimo de conhecimento do valor pragmático da música. Dormindo à sombra de Aristóteles, sonho a dizer: O espirito (o exercício da razão, trabalho racional), para ser mais frutífero, precisa do afago galante dos sentimentos da alma. A musica é, então, essa droga adocicante da alma e, consequentemente esse descansadouro do espirito. Pois “o trabalho produz sempre a fadiga e uma forte tensão das nossas faculdades, e é preciso, por isso mesmo, saber empregar oportunamente o jogo como um remédio saudável. O movimento que o jogo proporciona acalma o espírito e proporciona-lhe descanso mediante o prazer que causa”.(1)

Mas a música não é apenas o remédio de fadigas, é também uma expressão cultural, um reflexo de valores morais ou culturais de uma sociedade concreta. Com efeito, as narinas das nossas almas inalam em todo o lado a fragrância musical de "maboazuda, magostosa", de "Terezinha você, ni taku xavela mimovha (comprar-te-ei carros...) ...negra, mulata...apanha", de "ni taya casa 2 (gozarei na casa 2)", e etc – perdoem-me a tradução. Daqui, podemos perceber duas realidades:

1) a expressão duma geração sem tabus, sem sexualidade reprimida, sem domínio da Dona Ignorância em matéria do sexo como um jogo e prazer;
2) a imagem da mulher como objecto do sexo, uma boneca viva cuja raizon d'trê é a satisfação do ego masculino. É o homem quem compra bens materiais (celulares, carros, etc.) a enfeitiçar a "elegância feminina", seja ela mulata, negra, albina...Por um lado, temos a revolução sexual, por outro o discurso sexista.
Revolução sexual
Vale assinalar que não brotei do húmus de Pitágoras para discutir a origem das coisas, neste caso, origem de tal revolução sexual. A intenção é referir-me à música como reflexo de “novos” valores e novas regras de jogo sexual da nossa sociedade actual. Não obstante, suspeito que com o serpentear todo-poderoso dos cartazes, palestras, propagandas do sexo seguro, movido pelo terror de HIV/SIDA, inauguramos uma época de mudanças sérias em todo o tecido relações sexuais. Esses mecanismos para Prevenção de HIV/SIDA sabem, aparentemente, convencer a "comer banana com casca" - desmitologizando a santidade de "comer banana sem casca" apregoada na sociedade "tradicional".
Elísio Macamo, em O Abecedário da nossa Dependência, numa breve mas profunda reflexão sobre o “jeito” (preservativo) escreve que “as canções, os dísticos e cartazes, a publicidade na rádio e televisão encarregaram-se de precipitar a sociedade para novas formas de comportamento, novos tipos de relação entre pais e filhos, adultos e crianças, em suma o “Jeito” está a ser mais do que um instrumento de prevenção. É um agente infiltrado que está a organizar uma revolução sexual e de valores na nossa sociedade”.(2) Ergue-se uma sociedade sem tabus, sociedade onde a permissividade, por preguiça de dizer liberdade, é condição sine qua non para felicidade da nova juventude, qual se assemelha, de alguma forma, à juventude da histórica revolução sexual dos anos 50/60 nos Estados Unidos, na Europa e na América Latina, com os movimentos beats e hippies a contestar o modelo moral cristão ocidental.
Eis o que se firmou: é proibido proibir. Uma advertência que flutua no âmago da cultura pós-moderna. A (auto)realização não resulta necessariamente do progresso pela razão ocidental. A ocorrência das duas Guerras Mundiais traiu a fé optimista daquela juventude no progressismo iluminista. É preciso apreciar o êxtase, o sensual, as aventuras da alma (a aprender de outras culturas, principalmente orientais), e aí encontrar prazer, a felicidade aqui e agora. Navegando no jazz, rock n’roll, no sexo livre, nas drogas alucinógenas, os jovens dos anos 50/60 teceram uma outra cultura, não uma subcultura, mas uma contracultura. Libertaram-se da educação sexual opressora. Nós também o fizemos, mas não no mesmo contexto daqueles... Falta-nos a percepção dos efeitos negativos de libertação sexual e o esforço de minimizá-los antes de mergulharmos num estado de paranóia social.
Discurso sexista
Com a libertação sexual, reorganizam-se as relações de género. As mulheres despertam do silêncio e se expressam sexualmente, sem que isso constitua falta de pudor. Todavia, na música moçambicana contemporânea, mesmo com o contentamento com o sexo livre e cru, não se deixa de reafirmar os tradicionais papéis das mulheres como dependentes e secundárias. Na música – em exemplos acima mencionados - não se reflecte as diversas facetas da vida das mulheres ou as suas contribuições na condução dos destinos da sociedade. “Caracterizadas como essencialmente dependentes e românticas, as mulheres são raramente retratadas como racionais, activas ou decisivas”.(3)
É aqui onde encontra uma dura objecção o feminismo na sua luta ao derrube da sociedade patriarcal. Se “a revolução sexual marchou sub a bandeira da liberdade; o feminismo sub a da igualdade”, (4) pergunto eu: como ver a igualdade onde é o homem quem se despede da esposa rumo à casa 2?; como ver a igualdade onde é o homem quem tem o poder de compra, adquirindo bens materiais a encantar a mulher ao cativeiro dos seus apetites “animalescos”?
Assim, expressando o descontentamento do feminismo, ressalta Allan Bloom: “A paixão sexual masculina tornou-se de novo pecaminosa porque culmina no sexismo. As mulheres tornaram-se objectos, são violadas pelos maridos como por estranhos, são sexualmente perseguidas por professores nas escolas e por patrões no trabalho...” (5) Sim, neste processo de libertação sexual, confundindo-se nudez com pornografia, a mulher é ai vítima de “objectificação” quando lhe é explorada a sua sexualidade e aparência física.

Conclusão
A música moçambicana contemporânea não só reflecte a revolução sexual, mas também a encoraja a um passo mais veloz que a disseminação dos conhecimentos básicos que nossas crianças, adolescentes, jovens (e até adultos!) devem possuir sobre a sexualidade humana. Se é bem vinda a revolução sexual, urge purificar o seu conteúdo e nos precaver de que ela não venha a criar uma religião do sexo cru formando possessos sexuais, a ponto de se extinguir a consciência sobre os efeitos perigosos do instinto sexual. Através da nossa música percebe-se que já deixamos o slogan antigo - “cuidado com sexo” para o pós-moderno - “Ui! Quero sexo”. Mas, os conhecimentos básicos sobre Saúde Sexual Reprodutiva ou Vida Sexual Responsável são pouco partilhados, mesmo quando nossas cabeças deparam-se com números elevados de gravidez precoce/ indesejada, abortos clandestinos, casamentos forçados, e ITS/ HIV/SIDA.

Para já, é imperioso, se quisermos afirmar a igualdade do género, vigiar nossas expressões, nossos gestos que colocam a mulher numa posição de inferioridade ou de dependência em relação ao homem. Um projecto para o equilíbrio do género em nossa sociedade não deve cingir-se apenas em contar ou fazer subir os números do acesso e de frequência da rapariga na educação, ou de conceder crédito às “mamanas” vendedoras mas também em desconstruir o discurso sexista ainda bem cristalizado no imaginário sexual da nossa sociedade. Se a música recria o discurso sexista (que não só dicotomiza mas também hierarquiza os papéis sociais, colocando a mulher num plano inferior), ela requer uma intervenção social e político-educacional, no âmbito da construção de uma cultura de equidade de género.
Notas Bibliográficas

(1) Aristóteles. A Política. Portugal: Circulo de Leitores, 1975, p. 226.

(2) Macamo, Elísio. O Abecedário da nossa Dependência. 2ª edição. Maputo: ndjira, 2005, p. 48.

(3) Gellgher, M., Unequal opportunities: The case of woman and the Media, Unesco, Paris , 1981. Citado in SARDEC – WIDSAA, Para além das Desigualdades: A Mulher na África Austral, SARDEC, Harare, 2001, 270.

(4) Bloom, Allan. A cultura inculta: Ensaio sobre o declínio da Cultura Geral. 3ª edição. Portugal: Publicações Europa-América,1987, p. 96

(5) Idem, p. 99.

4 comments:

Anonymous said...

Minhas saudações pelo artigo interessante, apesar de tentares minimizá-lo. De tão interessante não resisti a um exercício de ‘pareceologia’ sobre os pontos que apresenta. Sobre o ‘mito’ da igualdade, parece-me que nem connosco mesmo somos iguais, quanto mais na relação com os outros, aqui eu olharia mais essas relações de poder a partir de Foucault e menos de Weber. Adicionalmente parece-me que para além do ‘…homem quem se despede da esposa rumo a casa 2’ tem a esposa que à semelhança do homem declara ter ‘… timbuya tamina (dela)…’. Parece-me ainda que ‘Cuidado com sexo’ e ‘Ui, quero sexo’ sempre foram e continuam sendo lados da mesma moeda. Por fim parece-me que para além do ‘… homem quem tem o poder de compra, adquirindo bens materiais a encantar a mulher ao cativeiro dos seus apetites “animalescos” tem a peça de um grupo teatral onde passava ‘Tomás, anda lá me fazer aí…!’. Pronto foi apenas ‘pareceologia’ e parecer não é ser. Mais uma vez aceite os meus parabéns, apesar de não credenciado para o efeito. Emidio Gune

Patricio Langa said...

Gune!
Não foi minha intenção minimizar o valor do artigo ao fazer o comentário prévio. Mas para evitar esse tipo de interpretações retirei o comentário. Se fosse minúsculo não o publicaria, não achas?.

Bayano Valy said...

Acho esta postagem interessante porque focou alguns aspectos que me parece devem ser introduzidos no debate sobre a nossa musica. A ligacao que faz sobre os conteudos musicais, o hiv e sida, as relacoes do genero e muito importante. Estou a escrever um artigo que publicarei num dos jornais da praca sobre o assunto, onde olho nao so para as musicas, mas tambem para o efeito da publicidade e a definicao de emergencia nacional (o hiv e sida e uma emergencia nacional).

freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,