Saturday, March 17, 2007

CARTA ao Professor Carlos Serra!


Professor já vai longa a sua valiosa contribuição, interventora, na questão do “desflorestamento” que supostamente está a ocorrer em Moçambique. Inclusivamente, já tivemos uma secção parlamentar a debater a questão e o questionado sob as suas responsabilidades. Tornou-se uma questão de interesse público, nacional e internacional. A sua denúncia foi vital nesse sentido.

Do meu ponto de vista, porém, fica a impressão de que quanto mais se fala do assunto menos o conhecemos em profundidade. E quando digo conhecer, não limito a questão as implicações prováveis em termos de dano ambiental. Refiro-me a conhecer o fenómeno sob as diferentes perspectivas em que aquele pode ser abordado. A mim, e crio que ao professor também, interessaria saber que olhar a sociologia poderia emprestar ao fenómeno. Parece-me que acima das consequências naturais há causas sociais, nomeadamente a intervenção do homem. Nesse sentido até porque todos fenómenos naturais são sociais. O que é que sabemos sobre isto? Como é que a sociologia nos pode ajudar a compreender o fenómeno? Sinto que ainda há muito por ser feito nesse sentido.

Há uns anos atrás interessei-me pela sociologia do risco e do ambiente. Inclusivamente, em tese de licenciatura, defendia que “ a consciência ecológica” em Moçambique emergira. Como evidência empírica estudei um fenómeno que na altura achei paradigmático, tratou-se do movimento de protesto contra a incineração de resíduos tóxicos na Matola nos finais da década de 90. Teoricamente socorri-me dos sociólogos Alemão e Britânico, Ulrich Beck e Anthony Giddens, que muito escreveram sobre sociologia do risco. Beck por exemplo, tornou-se popular ao defender a tese de que vivemos, actualmente, numa sociedade de risco.

Na minha tese defendia não somente o argumento de que havia sinais de emergência de consciência ecológica. Sugeria a hipótese de que aquela resultava do choque de racionalidades pela definição do risco ambiental. Por outras palavras, o risco que a incineração de resíduos tóxicos na fábrica de cimentos da Matola podia representar não existia em si, mas como resultado de um trabalho argumentativo e de lutas pela sua definição. Naquele caso o governo munira-se de instrumentos científicos para provar que o risco era praticamente “Zero” o mesmo fizeram-no os que achavam que era elevadíssimo. Daí o choque de racionalidades. Houve interesses subjectivos do diferentes grupos de interesse em jogo e isso foi um elemento a considerar para a definição do risco. A Livaningo hoje virou uma ONG ambientalista – com todas as benesses que isso trás – e esse é também um elemento a considerar e incluir no baú dos interesses subjectivos.
Professor já vai longa a minha carta, cuja intenção é colher da sua experiência o papel que caberia a sociologia na questão do “desflorestamento”.

Saudações académicas
Patrício Langa

2 comments:

Egidio Vaz said...

"Professor já vai longa a sua valiosa contribuição, interventora, na questão do “desflorestamento” que supostamente está a ocorrer em Moçambique".

1. Viva Sociologia de cartas!
Seria de facto interessante ouvir a sua posicao em relacao ao desflorestamneto ora em curso.

2. Estou curioso em sbaer o significado que as aspas (") quando se refere ao desflorestamento. Igualmente gostaria de saber se ainda não se deve considerar um FACTO, o desflorestamento em Mocambique. Vejo ai um "supostamente" que, na minha opinião, está mal colocado.
Um abraco.

freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,