Saturday, March 24, 2007

Da universidade da miséria à miséria da universidade!



Escrevi este texto há algumas semanas na altura do debate sobre a mudança de reitores. Não o publiquei na altura porque estva e continua incompleto. Mas para não ficar ainda mais desactualizado vai o que já havia escrito.

Desde que iniciou a “onda” de mudança de reitores nas universidades públicas do nosso país, que tenho feito comentários opinativos sobre a natureza política do acto de nomeação dos reitores e as implicações disso para o tipo de universidade que se vai construindo. Não sou o único, outros há, e aqui destaco o sociólogo Elísio Macamo, que tem interpelado criticamente, por um lado, as implicações que derivam da prerrogativa do presidente nomear reitores e por outro, nomeados os novos reitores, o discurso meta-narrativo do combate a pobreza absoluta adoptado a letra pelos recém nomeados.

Ocorreu-me ao reflectir sobre estes aspectos um debate, entre Michael Proudhon e karl Marx, do qual surge a inspiração para o título deste artigo. Não me interessa recuperar a história desse debate polémico que se desenrolou entre 1846-1847 e que deu lugar ao livro de Marx Miséria da Filosofia, respondendo à obra de Proudhon: Sistema das Contradições Econômicas ou Filosofia da Miséria. Os mais atentos terão já se apercebido que o título de Marx é uma ironia ao inverter o titulo de Proudhon de Filosofia da miséria para A miséria da filosofia.

É essa ironia que pretendo recuperar para caricaturar uma situação que, na verdade, deveria preocupar todos pela gravidade que ela representa para a universidade pública no nosso país. As novas nomeações, tanto no seu princípio constitucional e estatuário, portanto, quanto nos discursos imediatamente proferidos pelos novos reitores elegem a universidade como instrumento privilegiado de combate a miséria. Portanto, faço da miséria, aqui, sinónimo, de combate a pobreza absoluta. Nesse sentido combater a miséria, torna-se na função social, no uso social, primordial da nossa universidade. Ao tornar a universidade num instrumento primordial de combate a miséria, promove-se a miséria da universidade. Nas próximas linhas vou esgrimir algumas premissas de como a universidade se torna miserável ao se declarar combatente da miséria.


Das várias razões que me levaram a inspirar-me no debate Proudhon Marx está um aspecto, supérfluo, mas reconfortante para mim, pois ajuda-me a não temer dizer aquilo que acho que deve ser dito. É que foi, de certa maneira, uma atitude ousada da parte de Marx responder a ironicamente a Proudhon, naquela altura. Marx era nove anos mais novo que Proudhon. Por volta de 1840 Proudhon havia se tornado uma figura influente em paris com grande prestígio no debate político e no movimento de crítica social. Marx, por seu turno, não passava de um estudante e jornalista de inspiração liberal.
A situação parece, pelo menos para mim, similar. Se no meu caso ficaria difícil personificar os Proudhones de hoje num único indivíduo, este pode ser encontrado nas diferentes personalidades que a todo custo defendem que a universidade deve formar combatentes contra a pobreza absoluta. A pessoas que fazem o seu prestigio vendendo e defendendo esta ideia perniciosa para a universidade. Os novos Proudhones são os conselheiros do presidente que querem transformar a universidade num ministério que visa implementar o PARPA II. E num contexto onde a ordem do discurso é totalitária quem se opõe a ela estará comparativamente naquela posição de estudante em busca de orientação em que se encontrava Marx. Parece que já me estou a perder. Deixem-me, então, retornar o cerne da questão. Porque é que a universidade se torna miserável ao se declarar combatente da miséria. Podem-se enumerar várias, mas vou centrar-me naquela que considero primordial. As universidades independentemente do uso social que se lhes queira atribuir tem na produção de conhecimento a sua razão de existência. Esse conhecimento deve ser produzido em função dos ditames das condições teóricas e epistemológicas de produção. Serão essas condições que nos permitirão aferir sobre a produtividade da universidade. O valor acrescentado ou criado de uma universidade é conhecimento, independentemente da sua finalidade. Ao se subverter essa premissa subverte-se a razão de existir de uma universidade. Empobrecesse-a nos seus propósitos fundamentais. No nosso caso poderíamos perguntar até para que se abriram as politécnicas? A natureza das politécnicas permite-as cumprir melhor a função da aplicação do conhecimento em conhecimento tecnológico para resolver problemas que se considerem de ordem prática. O desvirtuamento da vocação da universidade só pode a empobrecer no que tange a sua função primordial.

2 comments:

Egidio Vaz said...

Está certo se os "Proudhones" a qe se refere sabem difrenciar as "politêcnicas" da Universidade?
Existem muitos equívocos que os dirigentes cometem, a começar pelo rigor no uso de determinads conceitos: hoje todos estamos a combater a pobreza absoluta. Os estudantes, ao estudarem; os professores ao darem aulas; os políticos ao discursarem, as associações ao pedir financiamento...
Já não existem actividade lucrativas de per se; já não existem actividades sem fins lucrativos de per se...
Já não existem políticos cujo interesse é atingir o poder político! Todos estamos empenhados "na busca de soluções para o combate à Pobreza Absoluta. E acha que a Universidade, com essa emntalidade, iria escapar?
O dia em que a lucidez tomar de volta o seu lugar nas mentes de muitos políticos (todos, no sentdo geral) aí sim, haverá respeito pelos pobres e saberem que para eles, nem é preciso o envolvimento das Universidades para deixarem de ser pobres.

freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,